28 de November de 2021

NOTICIAS

China: 11-11, febre do consumidor

China: 11-11, febre do consumidor

Por Yolaidy Martínez Pequim, 20 nov (Prensa Latina) Comerciantes da China aproveitam a transição do outono para o inverno para seduzir os consumidores com uma enxurrada de ofertas e descontos que dão vida ao Double 11, sua maior e mais importante temporada de compras.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Este festival foi criado pela empresa Alibaba em 2009, inspirado numa iniciativa de quatro estudantes universitários para a realização de atividades entre colegas solteiros e que rapidamente se tornou um evento muito popular na sociedade.

Com a desculpa de comemorar o conhecido Dia dos Solteiros todo 11 de novembro, a empresa catapultou suas vendas online de 7,9 milhões de dólares no ano inaugural para quase 84 bilhões em 2021.

O evento envolve as plataformas de e-commerce do país e, segundo dados oficiais, já ultrapassou em muito a Black Friday e a Cyber Monday, nos Estados Unidos, ou o Boxing Day britânico.

Mas não se trata apenas de alavancar as vendas de milhares de marcas de produtos de todos os gêneros, mas de oferecer entretenimento aos clientes com a ideia de que comprem mais aproveitando seu bom humor.

Portanto, desde 2015, espaços como Tmall e JD.com têm organizado festas com influenciadores locais, o ator Jackie Chan e os cantores americanos Taylor Swift e Katy Perry para criar uma atmosfera festiva.

O 11-11 cruzou as fronteiras chinesas e alcançou usuários na Rússia, Europa e Estados Unidos através do Aliexpress.com, enquanto conectava aqueles no Sudeste Asiático graças aos gigantes Shopee e Lazada.

Com as encomendas desde meados de outubro, as empresas têm a oportunidade perfeita para eliminar excedentes antes do final do ano, e as plataformas digitais envolvidas ganham mais confiança, tráfego e poder de negociação com as marcas.

Embora Double 11 seja considerado um barômetro do consumo – um dos motores de crescimento da economia chinesa – este ano o governo citou grandes empresas como Alibaba e Meituan-Youxuan e as alertou para não violar as leis do mercado ou permitir práticas como a concorrência, tratamento inadequado das reclamações ou opacidade dos preços.

mem / ymr /ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.