3 de December de 2021

NOTICIAS

Deformações da história no Panamá

Deformações da história no Panamá

Por Osvaldo Rodríguez Martínez Panamá, 19 nov (Prensa Latina) Novembro é o mês da Pátria para o Panamá, porque vários eventos históricos que ocorreram em diferentes anos coincidem, mas o primeiro grito de independência em Los Santos incorporou um personagem presumivelmente fictício à história.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

“Rufina Alfaro é, sem dúvida, uma personagem inventada por Ernesto de Jesús Castillero Reyes”, disse o acadêmico José Aparicio, que citou várias obras que não fornecem dados para provar a existência da heroína que é venerada como a figura chave na vitória sobre os colonialistas espanhóis na cidade do centro do país.

Em recente artigo publicado em La Estrella de Panamá, Aparicio aceitou que fontes orais são importantes para elucidar um fato histórico, mas refletiu que o grito Santeño foi dado em 10 de novembro de 1821 e Castillero escreveu sobre o personagem pela primeira vez 127 anos após o evento.

A anedota, se verdadeira, poderia ter sofrido modificações durante um período de tempo tão longo, disse ele, observando que desde aquela publicação outros autores replicaram as informações sem acrescentar novos elementos, exceto aquele que até descreveu Rufina, sobre o qual Aparicio ironizou sua imaginação.

“Ela era de beleza atraente, com olhos pretos inclinados, cabelos pretos, que usava sempre estendidos, trigo cor de trigo, alto, magro, com cintura flexível e seios salientes”, disse Horacio Moreno em um artigo.

Dedicado a Rufina, um monumento é erguido no parque da Villa, com uma estátua feminina de rosto vago, ao pé da qual os presidentes do país e outras autoridades governamentais colocam ofertas florais todos os anos, como uma homenagem à suposta heroína que a lenda coloca em um papel de liderança como libertadora.

Muitos escritores repetem a anedota oral recolhida por Castillero e contada por aqueles que foram presumivelmente contemporâneos da mulher que simboliza a vitória dos locais sobre as tropas espanholas sem disparar um tiro, pois seu acesso ao quartel militar permitiu que as tropas coloniais fossem neutralizadas, de acordo com a tradição.

Não faltam pessoas que tentam provar a autenticidade da história recorrendo a certificados de batismo onde Maria Rudecinda Alfaro aparece como madrinha de várias crianças, razão pela qual especulam sobre a existência de uma mulher com raízes populares, que poderia ser a mulher em questão.

Os pesquisadores também concordaram que o sobrenome Alfaro existia na época nas famílias de Las Peñas, onde se diz que a possível heroína nasceu, o que, embora não prove sua existência, ao menos tenta abrir a possibilidade de que ela poderia ter sido real.

O sociólogo Olmedo Beluche é mais direto em sua análise, afirmando que Castillero copiou para o Panamá o caráter histórico da Policarpa Salavarrieta Ríos (1795-1817) colombiana, “La Pola”, de quem a história registra que ela espiou para as forças pró-independência criollas em 1816.

Enquanto ela estava no andaime na Plaza Mayor de Bogotá, onde foi executada por tais ações, ela disse: “Soldados vilões, voltem suas armas contra os inimigos de seu país. Vocês, pessoas indolentes! Como seu destino seria diferente hoje se você soubesse o preço da liberdade!

“Mas não é tarde demais: ver que – embora mulher e jovem – tenho coragem suficiente para sofrer a morte e mil outras mortes. Não se esqueçam deste exemplo […] Povo miserável, eu tenho pena de vocês. Algum dia você terá mais dignidade! […] Morro para defender os direitos do meu país”, de acordo com documentos citados por historiadores.

A semelhança entre a lenda de Rufina e a história de La Pola poderia ser a base do que Beluche descreveu como “um jogo de falsificação”, que ele compara com uma situação semelhante baseada na personagem fictícia de Anayansi, a mulher indígena do romance de Octavio Méndez, o parceiro do conquistador espanhol Vazco Nuñez no roteiro da peça.

Estas possíveis distorções da história panamenha sobreviveram até os dias atuais, e novamente em 2021 Alfaro é o foco da homenagem, porque comprovada ou não, ela existiu no imaginário popular alimentado por trovadores, que narram suas façanhas com a convicção de que sua ação patriótica permitiu a independência de La Villa de Los Santos da Espanha.

jha/orm/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.