29 de November de 2021

NOTICIAS

Eleições cruciais

Eleições cruciais

Santiago do Chile, 13 nov (Prensa Latina) O Chile está prestes a eleger um presidente para o mandato de 2022-2026, em eleições consideradas cruciais porque quem vencer a disputa para o Palácio de La Moneda terá o desafio de conduzir o processo em direção a uma nova constituição.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Alguns dias antes das eleições de 21 de novembro, as pesquisas – que não são confiáveis por causa de erros repetidos em suas previsões – colocam nos primeiros lugares o candidato de esquerda Gabriel Boric e o de extrema-direita José Antonio Kast.

Boric, 35 anos, é o candidato mais jovem, liderou as mobilizações estudantis de 2011 e representa a coalizão Apruebo Dignidad, formada pela Frente Amplio, os regionalistas verdes, o Partido Comunista e outras organizações.

Kast (55) é um dos fundadores do Partido Republicano, um admirador de Augusto Pinochet e tem posições próximas ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro e ao ex-presidente americano Donald Trump.

Também participam da corrida a Yasna Provoste, da coalizão centro-esquerda Novo Pacto Social; Sebastián Sichel, do pró-governo Chile Podemos Más; Marco Enríquez-Ominami, do Partido Progressista; Eduardo Artés, da União Patriótica, e o economista Franco Parisi, do Partido do Povo.

Antes da votação, o cenário é incerto, especialmente dado o alto número de eleitores indecisos, que de acordo com as pesquisas é de cerca de 28%, e o alto nível de abstenção em uma nação onde o voto não é obrigatório.

A única certeza até agora parece ser que nenhum dos candidatos obterá maioria absoluta no primeiro turno e um segundo turno no dia 19 de dezembro será necessário.

Quem for eleito enfrentará um panorama complexo, marcado pelas consequências da pandemia de Covid-19, a crise migratória no norte, o conflito nas áreas mapuches e o processo em andamento para dotar o país de uma constituição que substitua a vigente desde a época da ditadura de Pinochet (1973-1990).

Esta foi uma das exigências da explosão social de 2019, e um ano depois o povo decidiu por maioria esmagadora mudar a lei das leis – que deverá ser submetida em meados de 2022 a um referendo para ratificação – a fim de fortalecer o papel do Estado e garantir os direitos sociais a todos os chilenos.

mem/car/vmc

(Extraído de Orbe)

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.