27 de November de 2021

NOTICIAS

Choque poderes na Líbia, ministro Relações Exteriores nega comentário

Libia canciller Najla al Mangoush

Choque poderes na Líbia, ministro Relações Exteriores nega comentário

Trípoli, 7 nov (Prensa Latina) A chanceler da Líbia, Najla al Mangoush, negou hoje suas alegadas declarações que a levaram à suspensão pelo Conselho Presidencial, decisão criticada pelo governo interino.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por meio de nota, a chanceler negou que durante recente entrevista à BBC tenha se referido a uma possível extradição para os Estados Unidos do líbio Abu Agila Masud, acusado por Washington de participar do ataque ao vôo 103 da Pan Am, que causou a morte de 259 pessoas, 190 delas norte-americanas.

Masud está sendo detido neste país do Norte da África por acusações não relacionadas ao ataque, ocorrido em 1998.

O texto da chancelaria previa “não circular e divulgar notícias falsas ou enganosas porque é crime punível por lei”.

Segundo a BBC, Mangoush considerou que a Líbia poderia trabalhar com os Estados Unidos para uma eventual extradição de Masud.

Após esses alegados comentários, o Conselho Presidencial da Líbia anunciou ontem a suspensão do funcionário por 14 dias por cometer “violações administrativas”.

Essa entidade realizou uma investigação contra ela por “sua atuação unilateral em política externa sem coordenação com o Conselho Presidencial”, órgão colegiado de três membros que desempenha as funções de chefe de Estado.

Mas o Governo de Unidade Nacional (GNU) interveio neste domingo na crise, rejeitando a ação do Conselho, alegando que não tem autoridade legal para fazê-lo.

O GNU também manteve Mangush em seu posto, que deve participar na próxima sexta-feira em uma conferência internacional em Paris sobre a Líbia.

Liderado pelo primeiro-ministro em exercício Abdul Hamid Dbeiba, o GNU foi eleito em fevereiro passado, sob os auspícios da ONU, por 75 delegados líbios representando várias facções e territórios.

A instituição tem o objetivo de dirigir esta nação árabe até que o novo Executivo emane das eleições presenciais marcadas para 24 de dezembro para assumir.

Este país vive uma espiral de violência desde a queda de Muammar al-Gaddafi em 2011, após uma guerra apoiada por membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte, incluindo Estados Unidos, França e Reino Unido.

oda / rob / ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.