8 de December de 2021

NOTICIAS

EUA não são Miami e as posições sobre Cuba estão longe de ser o ódio

Cuba, EEUU, Miami, subversión

EUA não são Miami e as posições sobre Cuba estão longe de ser o ódio

Por Isaura Diez Millán
Havana, 5 nov (Prensa Latina) Os Estados Unidos não são Miami, nem a máfia cubano-americana ultra-direitista daquela cidade controla a diversidade de posições como eles afirmam, enfatizou hoje o ex-embaixador de Cuba em Washington, José Ramón Cabañas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Falando exclusivamente à Prensa Latina, o atual diretor do Centre for International Policy Research localizado nesta capital, enfatizou que muitos em Miami têm um discurso público e outro em casa, uma distorção a fim de serem socialmente aceitos em um ambiente oportunista.

Na opinião do diplomata, a ultra-direita utiliza algoritmos e estratégias de comunicação em redes sociais e plataformas digitais com repetidas mensagens de ódio para transmitir a ideia de que existe uma comunidade cubana com um modo de pensar uniforme.

Segundo Cabañas, esta é uma reação deste setor ao período 2015-2017 de aproximação bilateral no qual quase cinco milhões de pessoas viajaram nas duas direções e houve uma inversão da agenda reacionária.

“O que vimos especialmente de 2018-2019 até aqui é uma distorção que se deve principalmente à polarização política dentro dos Estados Unidos, não é surpreendente então que os líderes destas tendências sejam admiradores do ex-presidente Donald Trump (2017-2021)”, disse ele.

“Mas os Estados Unidos não são Miami”, reiterou ele, “a coação a que muitos artistas cubanos são submetidos para que tomem uma posição contra o governo da ilha não acontece em Nova York, Chicago ou Los Angeles, que são capitais culturais”.

Cabañas lembrou que em 2017 Cuba foi o principal convidado do maior festival de jazz dos Estados Unidos e em 2018 mais de 400 artistas se apresentaram no renomado Centro Kennedy em Washington.

Por outro lado, o diplomata considera que a ala direita e suas conexões viram a pandemia Covid-19 como um evento semelhante à queda do campo socialista, razão pela qual eles apoiaram qualquer ação política extrema e o aperto do bloqueio contra Cuba.

“Isto também está ligado à crise interna nos Estados Unidos, o governo no poder não tem uma coalizão forte dentro do Partido Democrata, o que significa que a política externa de um partido difere muito pouco da do outro”, apontou ele.

O especialista lembrou que a política de Washington em relação a Cuba é uma política estatal, e não tem nada a ver com quem está na Casa Branca.

Cabañas lembrou que no caso do Presidente Barack Obama (209-2017), ele defendeu os mesmos objetivos em relação à ilha, mas através de uma política de aproximação ao invés de sanções.

O especialista assinalou que a comunidade cubana tem uma visão variada sobre estas questões e a maioria, segundo pesquisas e estudos, tem uma preocupação comum, que é a agenda da família.

“Por esta razão, as pessoas em Miami estão hoje pedindo o restabelecimento das viagens, remessas, vistos e outras medidas que lhes permitirão ajudar a família que têm aqui”, disse ele.

Na opinião do especialista, aqueles que mantêm uma posição extrema são aqueles que estão ligados a programas de mudança de regime, financiados por organizações com um passado terrorista e cujas ligações com os promotores da subversão já foram demonstradas.

“Esta é uma administração fraca, incapaz de compreender e de se aproximar do fenômeno cubano, do qual de alguma forma tem medo, razão pela qual o Partido Republicano vem ocupando um grupo de espaços”, enfatizou ele.

Segundo o ex-embaixador, não se pode acreditar que o voto cubano defina o Estado da Flórida, nem pensar que a cor política da comunidade cubana seja apenas uma.

jha/ool/idm/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.