8 de December de 2021

NOTICIAS

Novembro decisivo na Argentina

Buenos Aires Argentina

Novembro decisivo na Argentina

Por Maylín Vidal
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Buenos Aires, 1 nov (Prensa Latina) Os argentinos receberam hoje o penúltimo mês de 2021, crucial para um país que definirá novos congressistas nas urnas em 12 dias e começa a emergir gradualmente da Covid-19.

Depois de dias de calor intenso, esta segunda-feira amanheceu um pouco sombria, fria e nublada, antecipando o que poderia ser um novembro tempestuoso, com eleições legislativas que manterão tanto o panorama político quanto a sociedade tensos por pelo menos os próximos dias, à medida que a economia se agita a cada eleição.

Um exemplo disso é a temível e constante elevação do dólar blue (que é negociado em paralelo ao dólar oficial), que continua a desvalorizar o peso nas ruas, com efeito imediato nas prateleiras, nos mercados e, é claro, em nossos bolsos. Somente nos últimos dias, a moeda subiu de 185 para 196 e estava mesmo à beira de atingir 200 pesos argentinos.

Precisamente para evitar que a inflação continue a afetar as famílias, o governo de Alberto Fernández implementou uma série de medidas que vão desde a repressão às exportações de carne, uma regulamentação que expirou ontem, até o mais recente congelamento do valor de 1.432 produtos durante 90 dias, ao qual alguns empresários se opuseram.

Em um ano que tem sido convulsivo, este penúltimo mês parece ser de definições mas também de esperança em uma Argentina que está deixando para trás os maus momentos de uma pandemia que deixou 115.935 mortos e 5.287.447 infectados neste país. Os números confirmam isso: de mais de 35.000 casos por dia em abril e maio deste ano, em meio à segunda onda, ontem apenas 1.373 pessoas foram infectadas e 19 mortes foram registradas, embora as autoridades estejam pedindo às pessoas que não baixem a guarda, agora que já se pode andar sem máscaras em espaços ao ar livre e os shows, espetáculos e estádios de futebol estão com 100% de capacidade.

O desafio também começará hoje, pois turistas estrangeiros de todo o mundo poderão entrar no país se tiverem um cronograma completo de vacinação e a documentação necessária para comprová-lo.

Eles não precisarão fazer um teste de antígeno na chegada, mas devem ter uma PCR negativa 72 horas antes e haverá controles pelo pessoal do Ministério dos Transportes nos aeroportos. Esta será a primeira vez depois que o governo só permitiu a entrada e saída de nacionais e residentes do país há quase dois anos.

Muitos desafios estão pela frente para estes trinta dias de novembro. O foco, acima de tudo, está nas eleições gerais do dia 14 e isto está sendo sentido fortemente na capital, onde no fim de semana a militância de diferentes forças políticas foi a ordem do dia nos bairros e no centro da cidade.

Para a governante Frente de Todos será ainda maior após os resultados pouco lisonjeiros das eleições primárias abertas, simultâneas e obrigatórias (PASO) em setembro, nas quais a maior força política da oposição (Juntos por el Cambio) emergiu mais forte em 16 dos 24 distritos e está confiante em ir às urnas.

“Mas neste país nada está escrito, tudo pode mudar”, disse um homem de 60 e poucos anos na rua na segunda-feira de forma otimista, um defensor ferrenho do Executivo, que destacou todas as políticas promovidas durante o último ano, em meio a uma pandemia e com uma economia que ele recebeu em dívidas até a medula dos ossos.

“Não sei o que teria acontecido com outro governo”, acrescentou ele em seu diálogo em uma rua central do bairro de Balvanera em Buenos Aires, onde a propaganda eleitoral está na ordem do dia em cada esquina.

Questões como a economia, saúde e educação, segurança e justiça são as principais preocupações de um eleitorado que está pedindo respostas de curto e médio prazo para emergir lentamente da devastação deixada pela pandemia e também da complicada economia que já era grave muito antes deste período sem precedentes na história recente.

Com todos os seus candidatos nas ruas, a Frente de Todos sairá esta semana para defender suas políticas antes do encerramento da campanha. Assim como a maior força de oposição, Juntos por el Cambio, e outras coalizões, como a Frente de Izquierda.

A batalha também está avançando no mesmo ritmo que uma campanha de vacinação que começou há quase um ano e desde julho passado deu grandes passos para chegar à imunização de menores e já está pensando em uma dose impulsionadora para aqueles que têm o esquema completo.

Faltam apenas alguns dias, portanto, aproxima-se um mês decisivo nesta reta final de 2021, no qual a grande maioria dos argentinos está depositando suas esperanças na reconstrução do país e deixando para trás um dos períodos mais convulsivos da história da humanidade.

mem/may/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.