1 de December de 2021

NOTICIAS

Luta dos agricultores na Índia completa 11 meses

India, agricultores, protestas

Luta dos agricultores na Índia completa 11 meses

Nova Delhi, 31 out (Prensa Latina) O movimento dos agricultores indianos contra três polêmicas leis do setor, iniciado em novembro do ano passado junto com uma greve da classe operária, ainda hoje pauta a cena nacional.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Centenas de milhares de camponeses realizam uma luta pacífica, contínua e decidida há mais de 11 meses, apesar das graves dificuldades enfrentadas neste período, naquele que é considerado o maior protesto agrário do mundo.

Agricultores em vários estados desse país populoso do sul da Ásia estão exigindo que o governo do primeiro-ministro Narendra Modi proteja seus meios de subsistência de saques corporativos em mercados não regulamentados.

Além disso, os camponeses exigem do gabinete do direitista Partido Bharatiya Janata (BJP), que significa Partido do Povo Indiano, a revogação das três leis aprovadas em setembro de 2020 pelo Parlamento para a agricultura.

Os manifestantes classificam essas novas leis como anti-agrícolas, anti-populares e pró-empresariais, as quais afirmam terem sido impostas de forma anti-democrática e inconstitucional, de acordo com o portal Peoples Democracy.

Em vez disso, os agricultores estão exigindo a aprovação de uma norma legal que garanta o Sistema de Preço Mínimo para todos os agricultores.

Os agricultores temem que essa tríade de disposições destrua o sistema pelo qual o Estado compra suas safras, deixando-os à mercê dos grandes negócios.

Uma dezena de rodadas de negociações com representantes do governo, que projetavam as novas leis agrárias como reformas importantes, não saíram do impasse.

Como disse a Samyukta Kisan Morcha (SKM), a coalizão de mais de 40 sindicatos agrários que alimentam o protesto: “Este movimento se assemelha à luta da Índia pela independência contra seus governantes coloniais britânicos e à repressão econômica e política dos mesmos”.

O governo comandado por Modi recusa-se a atender às demandas legítimas dos agricultores, que dizem respeito à sua vida e à de suas futuras gerações.

Enquanto isso, um massacre recente ocorrido na cidade de Lakhimpur Kheri em 3 de outubro não fez nada além de fortalecer e estender o protesto agrário.

Manifestações foram organizadas em centenas de lugares na Índia para exigir a prisão imediata e demissão do Ministro de Estado Ajay Mishra Teni, o principal réu pelo atropelamento de vários camponeses por um veículo associado ao governo no incidente.

Como parte do protesto “Rail Roko” para exigir a remoção e prisão de Mishra, os fazendeiros bloquearam o tráfego ferroviário em várias partes do país.

A SKM solicitou que esta ação fosse realizada de forma pacífica, sem qualquer destruição ou dano à propriedade ferroviária.

Quatro das oito pessoas que morreram nos atos de violência citados eram agricultores, quando foram atropelados por um carro que transportava membros do governo BJP.

Os camponeses furiosos lincharam algumas pessoas no veículo e entre os mortos estavam dois membros do BJP, seu motorista e um jornalista local.

Desde o evento em Lakhimpur Kheri, no qual oito pessoas foram mortas, incluindo quatro camponeses, o SKM exigiu a remoção de Ajay Mishra do Conselho de Ministros, que também atirou em um agricultor.

“Mishra promoveu ódio, inimizade e desarmonia comunitária entre hindus e sikhs em seus discursos”, também observou uma declaração da coalizão sindical camponesa.

jcm / abm / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.