30 de November de 2021

NOTICIAS

Cuba: o desafio da reabertura diante das crises e ameaças

reapertura

Cuba: o desafio da reabertura diante das crises e ameaças

Por Elizabeth Borrego Rodriguez
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Havana, 30 out (Prensa Latina) A reabertura escalonada das atividades e serviços em Cuba em meio à crise causada pela pandemia e pelas ameaças contra sua soberania representam hoje um desafio para a pequena nação insular.

Após quase dois anos de confronto com a Covid-19, com uma economia sitiada pelo bloqueio estadunidense e com importantes mudanças estruturais, o país está agora olhando para a recuperação de suas principais atividades econômicas.

Isto foi confirmado pelo presidente cubano Miguel Díaz-Canel, no encerramento da mais recente sessão do Parlamento, onde ele insistiu no impacto da crise global como um desafio extra para a maior das Antilhas.

Entretanto, os resultados da vacinação, a retomada de atividades vitais como o turismo e a chegada de novos atores econômicos anunciam aqui um cenário melhor para as finanças e a vida social.

O presidente anunciou um processo gradual de melhoria graças, além disso, à aprovação de 43 medidas para o desenvolvimento do empreendimento estatal socialista e mais 60 dedicadas a impulsionar a produção agrícola.

A taxa de vacinação de Cuba, com mais de 63% de sua população totalmente imunizada, permite que o país retome o ano escolar no primeiro país com uma campanha de vacinação para sua população entre os dois e os 18 anos de idade.

“Toda vacina criada e aplicada, todo compatriota imunizado, toda infecção evitada e toda vida salva são triunfos para a causa nacional e derrotas para a agressão imperialista”, acrescentou ele.

Neste sentido, o presidente rejeitou a ligação dos representantes diplomáticos americanos com a campanha por um golpe suave na ilha.

A embaixada dos EUA usa seus privilégios para se reunir com líderes contrarrevolucionários, enquanto as declarações de diplomatas e oficiais estadunidenses sobre os assuntos internos do país circulam em redes sociais.

“Como reagiriam os Estados Unidos se uma representação diplomática fosse dedicada a promover marchas e manifestações contra a legalidade estabelecida de seu território?

Na véspera da reabertura, Díaz-Canel ratificou o bloqueio como um obstáculo fundamental para as estratégias de desenvolvimento do país, embora não um obstáculo intransponível.

“A vida retomará seu curso, com a maior alegria, mas alerta. Ninguém vai estragar nossa festa. Já estamos vacinados contra a Covid-19, e sempre fomos vacinados contra o medo”, enfatizou o presidente.

msm/ebr/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.