3 de December de 2021

NOTICIAS

Defesa rebate argumentos dos EUA para ganhar a extradição de Assange

Defesa rebate argumentos dos EUA para ganhar a extradição de Assange

Londres, 28 out (Prensa Latina) A defesa legal do fundador do WikiLeaks Julian Assange aqui hoje refutou os argumentos apresentados pelos Estados Unidos para tentar fazer com que uma alta corte britânica anulasse uma decisão anterior contra sua extradição.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Como o advogado Edward Fitzgerald explicou no segundo e último dia da audiência de apelação no Palácio da Justiça de Londres, a juíza distrital Vanessa Baraitser tomou a decisão certa quando citou o risco de suicídio ao rejeitar o pedido do Ministério Público dos EUA. A juíza Baraitser não errou, ela agiu em total conformidade com a lei atual, disse ele, observando que o atual acordo Reino Unido-EUA estabelece que a extradição de uma pessoa pode ser impedida se, com base em sua saúde mental ou física, for considerada que a decisão seria opressiva ou injusta.

Na quarta-feira, representantes do Departamento de Justiça dos EUA questionaram a seriedade do estado mental de Assange, e alegaram que a juíza foi enganada pela avaliação feita por um psiquiatra de defesa, que alertou que o fundador do WikiLeaks poderia fazer um atentado contra sua vida se fosse preso nos Estados Unidos.

Fitzgerald na quinta-feira também rejeitou as promessas feitas pelos promotores americanos de que o ciberativista não seria mantido em uma prisão de segurança máxima ou sujeito às medidas especiais de confinamento que se aplicam a criminosos e terroristas perigosos, e que ele poderia até mesmo cumprir sua sentença na Austrália.

As provas apresentadas na época indicavam que as medidas eram muito prováveis de serem aplicadas, pois nunca disseram que era impossível para eles fazê-lo, acrescentou o advogado de defesa.

Os EUA estão procurando processar o fundador do WikiLeaks por expor em seu site os crimes de guerra cometidos pelos militares americanos no Iraque e no Afeganistão e milhares de cabos diplomáticos.

Se o pedido de extradição for bem sucedido, Assange poderá enfrentar até 175 anos de prisão em 17 acusações criminais relacionadas a supostas violações da lei de espionagem dos EUA.

Ao contrário do dia anterior, quando ele assistiu intermitentemente à audiência oral à distância da prisão de Londres, onde está preso desde abril de 2019, o ciberativista não foi visto à câmera pelos jornalistas após o julgamento também via on-line.

Uma vez terminada a audiência, os juízes do Supremo Tribunal terão entre quatro e seis semanas para proferir seu veredicto, esperando-se que o lado perdedor recorra da sentença para o Supremo Tribunal do Reino Unido.

Como no primeiro dia do julgamento, centenas de apoiadores de Assange se reuniram fora do tribunal para exigir sua libertação.

mgt/nm/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.