5 de December de 2021

NOTICIAS

Cinquenta anos sem Pablo Picasso, Espanha o venera

Cinquenta anos sem Pablo Picasso, Espanha o venera

Madri, 26 out (Prensa Latina) Uma cobertura em Montmartre, em Paris, teve Pablo Picasso entre seus inquilinos no início do século XX e, desde então, sua história cresceu tanto que hoje a Espanha o venera.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No auge dos mestres das artes visuais de todos os tempos, Picasso marcaria um antes e um depois em Paris, embora sempre se tenha considerado ‘o mais espanhol dos franceses’ e nunca se esquecesse das raízes malaguenhas.

Sob essas premissas, a Espanha se prepara agora para o que será o Ano de Picasso em 2023, quando fará 50 anos de sua morte e o 140ú aniversário do nascimento do autor do famoso Guernica.

Pablo Diego Francisco de Paula Nepomuceno Cipriano de la Santísima Trinidad Ruiz y Picasso (1881-1973) terá exposições, colóquios, seminários e produtos audiovisuais, com uma Comissão Nacional que deu o pontapé inicial.

Num evento no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, dirigido pelo Presidente do Governo, Pedro Sánchez, e sob os auspícios do Ministério da Cultura, os organizadores destacaram a dimensão internacional do evento.

Foi no Bateu Lavoir de Montmartre (‘um barco de lavagem’, edifício que leva o nome do próprio Picasso), onde o artista pintou As Senhoritas de Avignon, considerada o ponto de partida do cubismo.

Anos depois, em plena maturidade de sua carreira, foi em seu ateliê na Rue des Grands-Augustins 7, em Paris, que concebeu Guernica de maio a junho de 1937, horrorizado com os bombardeios da Legião Condor Alemã Nazista e do Aviação Legionária Italiana no pequeno povoado do País Basco.

O Museu Nacional do Prado, o Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, o Museu Nacional Thyssen-Bornemisza, o Museu Picasso de Málaga, o Museu Guggenheim Bilbao ou o Museu Picasso de Barcelona receberão exposições temporárias em homenagem ao famoso artista.

Picasso desenvolveu boa parte de suas obras na França, onde se estabeleceu inicialmente atraído pelo boom cultural da Cidade Luz, mas depois e sobretudo na rejeição ao franquismo.

Por isso, Guernica ficou 44 anos exposto no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), a pedido expresso de seu autor, que recusou deixá-lo na Espanha enquanto durou a ditadura de Franco.

Retornou à nação ibérica em 10 de setembro de 1981 para ser exposto no Reina Sofia, onde permanece.

Espanha e França trabalharão juntas ‘para unir forças e viabilizar um grande número de exposições, colóquios, seminários e produtos audiovisuais que abordem aspectos menos conhecidos de seu trabalho e atualizem a avaliação e apreciação dele para as gerações atuais de público.’ .

Considerado um criador prolífico, comprometido e altamente influente nas artes visuais, sua marca do cubismo tornou sua influência essencial naquela época e uma referência mundial, mesmo para os pintores de hoje.

npg / ft / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.