1 de December de 2021

NOTICIAS

Movimentos no tabuleiro eleitoral chileno

Movimentos no tabuleiro eleitoral chileno

Santiago do Chile, 25 out (Prensa Latina) Algumas semanas antes das eleições, o Chile enfrenta hoje um cenário complexo devido ao surpreendente surgimento da extrema-direita, que forçará forças progressistas a forjar alianças para evitar a fragmentação do voto.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Embora quase todas as pesquisas para as eleições de 21 de novembro coloquem o candidato presidencial Gabriel Boric, da aliança de esquerda Apruebo Dignidad, em primeiro lugar, as pesquisas também refletem a ascensão do candidato de extrema-direita José Antonio Kast, do Partido Republicano.

Identificado como o Bolsonaro chileno, Kast conseguiu passar do quarto para o segundo lugar, à frente do oficialista Sebastián Sichel e de Yasna Provoste, da coalizão do Novo Pacto Social de centro-esquerda, e uma pesquisa recente da empresa de pesquisa de mercado Cadem até o coloca em primeiro lugar, em um empate técnico com Boric.

Embora os grupos de pesquisa não sejam totalmente confiáveis por terem errado nas últimas eleições, seus resultados apontam para um possível segundo turno em 19 de dezembro entre dois modelos totalmente opostos.

Por um lado, Boric, com suas propostas de mudanças profundas no país, e por outro, Kast, um defensor ferrenho do neoliberalismo.

Explicando as causas da ascensão da extrema direita, o sociólogo e analista político brasileiro Emir Sader disse que o fenômeno não é exclusivo do Chile, mas também ocorreu em outros países como Brasil e Argentina, e o atribuiu em parte a uma crise da direita tradicional que não se vê como uma alternativa.

‘Basta ver o que a Concertación significou no Chile, que não só manteve o legado do Pinochetismo (Augusto Pinochet), mas sobretudo o modelo neoliberal, o que significou que sua base de apoio não encontrou legitimidade neles’, disse Sader em uma entrevista à Rádio Universidad de Chile.

Entretanto, o sociólogo considerou que a experiência internacional aponta para um fracasso da ultra-direita porque seu modelo não tem políticas para os amplos estratos populares, favorece o capital especulativo e os bancos privados, e na América Latina há também uma tendência que favorece os governos anti-neoliberais, progressistas e de esquerda.

No caso do Chile, ele disse: ‘Tenho a impressão de que os setores do centro, com o espectro e o risco que representa para a democracia (a extrema-direita), tenderiam a se reunir em torno da candidatura de Gabriel Boric. Tenho esperança de que este seja o caso.

O avanço do candidato extremista aqui pode ser explicado por vários fatores, mas acima de tudo está relacionado à queda do representante do partido no poder, Sebastián Sichel, que começou como segundo nas pesquisas e depois foi empurrado de volta ao quarto lugar.

Sichel tem uma posição ambivalente em relação ao projeto de uma quarta retirada do fundo de pensão que está sendo debatido no Congresso e recentemente foi revelado um suposto financiamento irregular de empresários de pesca para sua campanha para deputado em 2009.

Sua candidatura também é afetada pelo escândalo Pandora’s Papers, que envolve o presidente chileno Sebastián Piñera na venda de um grande projeto de mineração em um paraíso fiscal, para o qual o atual mandatário enfrenta um impeachment e uma investigação criminal pelo Ministério Público.

Neste ponto, muitos já descartaram a possibilidade de um segundo turno, e alguns membros da coalizão de direita estão até mesmo inclinados a votar em Kast.

No entanto, nenhuma pesquisa até o momento figura Kast como um eventual vencedor num segundo turno, revelando, pelo contrário, que seria amplamente superado por Boric, de acordo com a pesquisa Cadem.

‘A pior coisa que pode acontecer ao Chile é que o líder do Partido Republicano vá para o segundo turno’, disse Marco Enríquez-Ominami, do Partido Progressivo (PRO).

Ominami considerou o programa de Kast um perigo para a grande maioria dos cidadãos que votaram por uma nova constituição para substituir a que estava em vigor desde a época da ditadura de Pinochet (1973-1990).

Também na disputa pela presidência chilena estão Eduardo Artés, da União Patriótica, e o economista Franco Parisi, do Partido do Povo.

É quase certo que nenhum dos sete candidatos obterá 50% mais um dos votos para vencer no dia 21 de novembro e que nenhum deles prosperará por conta própria em um segundo turno sem unidade, disse o analista Gonzalo Valenzuela.

Em sua opinião, após a revisão dos programas governamentais de Marco Enríquez-Ominami, Yasna Provoste e Gabriel Boric, é possível observar muitas semelhanças em termos de diretrizes programáticas para o novo Chile que será construído.

A necessidade desses líderes de centro-esquerda comprometerem seu apoio à unidade dos blocos em uma rodada decisiva será fundamental para evitar a repetição dos erros do passado e para evitar um governo nebuloso, disse Valenzuela.

Mais de 15 milhões de pessoas serão chamadas às urnas para eleger, além do sucessor de Piñera, 155 deputados, 27 senadores e 302 conselheiros regionais.

Os candidatos começaram suas campanhas televisivas na semana passada, onde tentarão atrair os indecisos e convencer o público de seus programas governamentais.

acl/car/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.