29 de November de 2021

NOTICIAS

Efeitos da crise dos contêineres nas Américas

Efeitos da crise dos contêineres nas Américas

Panamá (Prensa Latina) As cadeias produtivas mundiais estão sofrendo agora as consequências do chamado 'Armagedom de Contêineres', uma crise sem precedentes no transporte marítimo que quebrou o sincronismo do fluxo de produção de matérias primas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A Prensa Latina testemunhou os efeitos da situação desconcertante para os comerciantes na Zona Franca de Colón do Caribe (Zolicol), no Panamá, a segunda maior do mundo, onde a escassez de armazéns e a pobre esperança de uma solução são a ‘conversa da cidade’ para empresários e funcionários.

Nos bastidores, soube-se que vários estabelecimentos expõem aos compradores os últimos estoques de algumas mercadorias, sem mesmo ter opções de fornecimento à vista, enquanto outros reduziram a variedade de sua oferta ou desapareceram das prateleiras das linhas de produtos tradicionais.

O aumento desproporcional das tarifas de frete, principalmente da China, que é o principal fornecedor da Zolicol, e os atrasos na chegada dos pedidos às fábricas asiáticas, parecem ser as únicas razões para os aumentos substanciais dos preços no atacado e no varejo nas últimas semanas.

Conversas privadas com alguns empresários revelaram que outra razão para a subida de preços é para recuperar as perdas causadas pela paralisia da pior fase da pandemia de Covid-19, que levou ao fechamento de várias entidades.

O efeito dominó da crise dos recipientes acaba no consumidor final que sofre no bolso e a diminuição da oferta, o congestionamento da cadeia comercial global, também interrompido quando o planeta ficou paralisado com o isolamento de países inteiros.

A explicação para o que está acontecendo tem vários aspectos, o primeiro dos quais é que, devido à demanda por itens para lidar com a situação de saúde, as empresas marítimas movimentaram um número infinito de contêineres que não retornaram aos centros de produção, principalmente na Ásia, de modo que agora há uma escassez de mercadorias a serem enviadas.

No acompanhamento do fluxo de produção, matérias-primas, partes, peças e produtos semi-acabados diminuíram a oferta para as indústrias devido à escassez de remessas, que por sua vez interromperam a produção devido a essas causas e também devido à doença ou quarentena dos trabalhadores.

O mesmo aconteceu com os grandes portos chineses, através dos quais são exportados os maiores volumes de mercadorias para a Europa e América, pois suas instalações lhes permitem operar os maiores navios que atualmente navegam nos mares.

As tarifas de frete quintuplicaram em alguns casos devido ao efeito oferta-demanda, que prejudicou a movimentação de mercadorias de baixo preço, pois quase igualaram seu valor, o que é impossível para os comerciantes colocá-las no mercado devido à alta quantidade que é transferida para o preço final, fontes especializadas apontaram.

As perspectivas de um retorno à normalidade na indústria marítima, alguns especialistas a colocam em meados de 2022, enquanto os mais pessimistas dizem que em termos de taxas, não voltará aos níveis pré-pandêmicos: neste sentido, o mundo parece estar caminhando para uma crise sem retrocesso.

acl/orm/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.