6 de December de 2021

NOTICIAS

Crise de outubro: Quando a Guerra Fria quase se tornou nuclear

Crise de outubro: Quando a Guerra Fria quase se tornou nuclear

Havana, 22 out (Prensa Latina) Faz hoje cinquenta e nove anos, 300.000 soldados permaneceram em alerta de combate em Cuba enquanto o presidente americano John Kennedy repreendeu a União Soviética no contexto de uma Guerra Fria que quase se tornou nuclear.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Segundo pesquisas históricas, a chamada Crise de Outubro começou naquela segunda-feira, 22 de outubro de 1962, quando o chefe da Casa Branca noticiou na televisão a presença de um arsenal nuclear da URSS a 90 milhas de distância e decretou um bloqueio naval militar da maior das Antilhas.

Nessa época, o então Primeiro Ministro Fidel Castro já havia mobilizado as Forças Armadas Revolucionárias diante da possibilidade crescente de uma invasão iminente do vizinho do norte.

O líder histórico da Revolução Cubana, em entrevista ao jornalista espanhol Ignacio Ramonet, explicou que após o fracasso da invasão da Baía dos Porcos, em abril de 1961, os Estados Unidos conceberam a Operação Mangusto, um plano de sabotagem, terrorismo e assassinatos que terminaria em um ataque direto antes do final de 1962.

Como resultado, em junho daquele ano, a URSS propôs o estacionamento de um contingente de tropas soviéticas aqui com foguetes nucleares de médio alcance para proteger a ilha.

Neste plano, Fidel Castro também notou o desejo da URSS de melhorar a correlação de forças em meio à Guerra Fria, pois os Estados Unidos tinham mísseis Júpiter localizados na Itália, no Reino Unido e na Turquia.

No final de julho, em total sigilo, teve início a transferência de foguetes nucleares, um esquadrão de bombardeiros leves IL-28, foguetes táticos de curto alcance e outras armas.

De acordo com pesquisas posteriores, Kennedy soube desta presença em 16 de outubro com mais de 900 fotografias tiradas pelo avião espião U-2 na parte ocidental da ilha.

No livro Cem Horas com Fidel, o líder cubano explicou sua insatisfação com o tratamento do caso, pois acreditava ser mais apropriado tornar público o acordo militar entre a URSS e Cuba, que respeitava os preceitos do direito internacional.

Documentos desclassificados posteriores mostram que Kennedy se reunia todos os dias com um Comitê Executivo do Conselho de Segurança Nacional no qual a maioria dos generais pedia uma ação militar contra o país caribenho.

Durante os dias tensos que se seguiram, o povo cubano se preparou para o confronto, baterias antiaéreas foram posicionadas na capital, enquanto aviões norte-americanos voavam em voos de reconhecimento e no alto mar os navios de ambas as superpotências se encontravam dentro de uma amplitude de confronto.

Nas Nações Unidas, os EUA apresentaram imagens aéreas das bases estratégicas de mísseis e o representante soviético negou as provas, levando a uma disputa diplomática na ONU.

No sábado, 27 de outubro, o líder da URSS, Nikita Khrushchev, escreveu a Kennedy que se ele concordasse em não atacar a ilha e remover o bloqueio militar, armar o país caribenho seria desnecessário.

Paralelamente a esta troca, desde a madrugada daquele dia, tropas soviéticas e cubanas estavam atirando em aviões norte-americanos que invadiam o espaço aéreo da ilha, em flagrante violação da soberania do país caribenho.

Neste contexto, um avião espião U-2 foi abatido por uma bateria no Oriente, matando o piloto Rudolf Anderson, o que aumentou o desejo dos militares estadunidenses de usar a força.

Os EUA pediram a Khrushchev que retirasse as armas sob inspeção da ONU e outras prerrogativas, de acordo com uma troca de cartas publicada posteriormente.

Os dois lados acrescentariam mais tarde ao acordo a retirada dos foguetes Júpiter da Itália e da Turquia.

Estas negociações secretas enfureceram o povo cubano e Fidel Castro então exigiu cinco pontos a serem incluídos em um pacto tripartite.

Isto incluiu o fim do bloqueio econômico, o fim de todas as atividades subversivas e violações do espaço aéreo e naval, assim como o fechamento da Base Naval de Guantánamo, ocupada pelos EUA.

Boris Poklad, assessor do Ministério das Relações Exteriores da URSS em 1962, explicou mais tarde que Washington não queria assinar nenhum documento que desse garantias claras de não-intervenção a Cuba, nem mesmo um carimbado pela autoridade das Nações Unidas.

Havana não concordou com uma inspeção dos foguetes em seu território (isto foi feito em alto mar) e então os EUA exigiram a retirada dos IL-28 também, com o que a URSS concordou.

A violação do espaço aéreo e o bloqueio militar continuaram por mais alguns dias até que a crise terminou em 20 de novembro daquele ano.

‘Tudo isso nos deixou muito irritados. Protestamos (…) Nossas relações com os soviéticos se deterioraram. Durante anos, isso influenciou nossas relações’, comentou Fidel Castro.

jha/idm/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.