5 de December de 2021

NOTICIAS

Cuba em boa hora para aumentar as exportações

Cuba em boa hora para aumentar as exportações

Havana, 18 out (Prensa Latina) Cuba está hoje em um bom momento para aumentar suas exportações por ter uma plataforma de produtos e destinos definida com a participação de formas de gestão não estatais, destacou um especialista do Mincex.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A diretora de Comércio Exterior do Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro (Mincex), Vivian Herrera, explicou em declarações à Prensa Latina que a essas instalações se juntam o impulso da produção de bens e serviços para fins exportáveis ​​em todos os territórios com o apoio de suas mais altas autoridades.

Esclareceu que para Cuba ou qualquer país sua inserção no mercado internacional é complexa e adversa devido ao impacto negativo da pandemia Covid-19 no esquema comercial global e nas economias nacionais, pelo que qualquer esforço é duplo e importante.

Herrera disse que este ambiente se complica, em particular, pelo grave declínio do turismo, setor que, embora preparado em infraestruturas e com pacotes de serviços muito atrativos, foi fortemente prejudicado pelos efeitos da doença gerada pela SARS-CoV -2.

Ele lembrou que a indústria do lazer é justamente uma das atividades que mais impulsiona as exportações, pois impulsiona o restante da produção de bens e serviços a partir desse setor, para o qual se busca a substituição das importações.

‘Com a inauguração em 15 de novembro, apostamos que ela terá um papel mais representativo do que no ano passado, quando sua contribuição foi insuficiente’, disse.

O diretor de Comércio Exterior disse que o país tem uma estratégia abrangente com 15 linhas fundamentais, entre as chamadas tradicionais e outras consolidadas, por exemplo, o carvão vegetal recentemente incorporado à carteira de exportação com boa gestão e aceitação.

Entre os conhecidos como tradições estão o níquel, o açúcar, os produtos da pesca, o rum, o mel e o fumo, enquanto a lista inclui a saúde e a Biocubafarma como produtora de bens e em uma aliança estratégica em serviços médicos e turismo dentro do programa de qualidade de vida.

Também os benefícios das telecomunicações, que hoje ocupam o segundo lugar dentro das receitas de divisas para o país, e outros, como os educacionais e esportivos.

A este respeito, destacou que se aspira a que estes benefícios sejam reforçados, pois em tempos de pandemia, foram incentivados os modos de exportação transfronteiriça, ou seja, sem movimento de pessoas entre um país e outro, a concretizar-se via Internet, como é o caso dos educacionais.

São variantes impostas pela pandemia e pela modernidade, acrescentou.

Questionada sobre os principais entraves ao comércio exterior de Cuba, mencionou a pandemia, mas antecipou o bloqueio imposto pelos Estados Unidos e todas as suas restrições aos repasses para arrecadação de exportações, não porque o cliente se negue a pagar, mas por não haver meios de o fazer.

‘Não é segredo para ninguém que às vezes uma venda é feita e fica pendente de reembolso, o que encarece a operação devido ao atraso, percorrer muitas estradas na rota do banco ou ser negada, além dos gatos em comissões’, afirmou o especialista.

Destacou que o bloqueio afeta diretamente as exportações cubanas, não é um slogan, é real em toda a vida econômica do país, e no caso do comércio é um dos setores que sofre no dia a dia e tem que procurar alternativas constantemente.

O responsável do Mincex alertou para um fenômeno que hoje gravita a economia mundial em função do impacto da Covid-19, e do qual Cuba não escapa, que consiste no rompimento das cadeias de abastecimento, que levou a aumentos escandalosos do frete de contêineres em tráfegos diferentes.

Assim, os aluguéis dessas mídias em um ano e meio se multiplicaram mais de três vezes e não se prevê quando será alcançada a estabilidade, à qual se somam as pressões e multas devidas às medidas extraterritoriais do bloqueio norte-americano.

‘Somos um país pequeno com uma economia de pouca relevância no contexto internacional e com o peso do bloqueio em cima, o que impede alguns armadores de abandonar suas operações e romper seus laços com a ilha caribenha, apesar das alianças estratégicas e preferenciais fretes acordados. ‘, indicou.

Esse é o caso da Integrated Shipping Services (ZIM) de Israel e da Mediterranean Shipping Company (MSC) da Itália, observou ele.

‘São problemas dos quais pouco se fala, são muito reais e têm forte impacto porque atrapalham o nosso comércio exterior, cortam todas as nossas cadeias alimentares, por isso insistimos que o empresariado trabalhe com mais inteligência e novas táticas para viver e desenvolver ‘, afirmou.

Sobre a importação de alguns produtos dos Estados Unidos, esclareceu que são feitas em regime de bloqueio com adiantamento de contato antes da chegada do navio, sem possibilidade de crédito comercial e com uma empresa marítima específica, além de outras limitações que colocam o país em uma posição difícil.

‘É verdade que compramos quando os preços são vantajosos pela proximidade, mas em um cenário de grande desigualdade comercial, por um caminho muito estreito e sem equidade de tratamento, apesar de haver muitos empresários interessados ​​em vender e trabalhar com Cuba, mas não é possível ‘, sentenciou o funcionário.

acl / crc / ls/gdc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.