8 de December de 2021

NOTICIAS

As belezas do deserto branco

As belezas do deserto branco

Cairo, 16 out (Prensa Latina) O Saara egípcio tem duas luas: o satélite natural que brilha no céu à noite e, como uma joia de quartzo na terra, o espantoso Deserto Branco, cujas dunas, vales e gargantas brilham silenciosamente diante do olhar espantado de forasteiros.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ao norte do oásis de Farafra, a mais de cinco horas de carro do Cairo, o tempo esculpiu uma das paisagens mais espetaculares deste país norte-africano, onde esculturas naturais coloridas pela neve convidam a imaginação a criar histórias, figuras e personagens a partir de lendas.

A geologia nos diz que há milhões de anos esta região ocupava o fundo do oceano, mas séculos de transformações e erosão do vento acabaram moldando espaços abertos salpicados de caprichosas formações calcárias, que dão à área sua peculiar cor branca.

Enormes cogumelos, animais mitológicos, estruturas semelhantes a sonhos, todas as odoridades rochosas em uma tela nevada que transportam o visitante para planetas árticos de beleza encantadora e o lembram que a realidade pode sempre ser mais fascinante do que os sonhos.

Orbe foi lá para aproveitar a oportunidade de passar a noite sob as estrelas e desfrutar das belas vistas que estes lugares oferecem, tanto ao anoitecer como ao amanhecer, quando a brancura do lugar é tingida com os reflexos do sol.

Depois que o sol se retira, o silêncio, o vento e as sombras se tornam companheiros de viagem. O deserto é então apenas perturbado pelo brilho da lua e do firmamento, um momento ideal para contemplar a Via Láctea, as galáxias distantes e, por que não, para fazer um desejo após a passagem de uma estrela cadente.

Ao amanhecer, a luz do sol revela vestígios de insetos, gambás e aves de rapina que durante a noite tomaram conta da paisagem desolada em busca de alimento, para mais tarde retornar às suas covas e escapar das altas temperaturas do dia, geralmente acima de 45 graus Celsius.

Contra todas as probabilidades, com o tempo vários animais conseguiram se adaptar ao terreno áspero, incluindo a ovelha Barbary, a raposa da areia, a gazela branca e a gazela comum ameaçada de extinção.

Guiados por beduínos que conhecem a área como a palma da mão e sob um sol escaldante, os visitantes se movem entre as dunas enquanto olham com fascínio para as extensões do deserto branco e, em alguns casos, ousam deslizar pela colina em pranchas tipo surf, um esporte chamado sandboarding.

Habitantes ancestrais da região, estes guias professam um grande amor e respeito por seu habitat, por isso mantêm seus costumes – cozinhar com lenha e carvão vegetal, racionalizar o uso da água – e tomam medidas para proteger o meio ambiente – ensacando todos os resíduos de excursões frequentes.

‘Nossa casa é de uma beleza única. Entristece-nos profundamente que haja turistas que atacam esses locais e desconhecem o seu grande valor’, disse Khaled Basahndy, um dos acompanhantes do tour.

Em 2002, o governo egípcio declarou a área um parque nacional protegido para ajudar a preservar um dos mais belos desertos do planeta.

/vmc

(Extraído de Orbe)

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.