16 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Economia de Cuba frente ao desafio da inflação

Economia de Cuba frente ao desafio da inflação

Havana, 15 out (Prensa Latina) O cenário complexo da economia cubana hoje apresenta um enorme desafio nos processos inflacionários, particularmente por causa de seu impacto negativo sobre a população e as repercussões sobre o panorama social.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Definido como uma das prioridades pelo vice-primeiro ministro e chefe da Economia e Planejamento, Alejandro Gil, enfrentar este fenômeno que torna a vida dos cubanos mais cara também está ligado ao cuidado com pessoas vulneráveis, outra das questões priorizadas pela liderança do país.

É uma questão complexa que não tem uma única solução, Gil insistiu em uma coletiva de imprensa na quinta-feira, acrescentando que todas as alternativas possíveis estão sendo estudadas que não são de natureza neoliberal, para as quais especialistas econômicos e acadêmicos estão contribuindo.

Entretanto, ele enfatizou que sem aumentar a oferta não é possível aspirar a um controle efetivo dos processos inflacionários, algo que no contexto cubano, com o flagelo da Covid-19, o bloqueio econômico e as mais de 240 medidas unilaterais dos Estados Unidos apertando a garganta do país caribenho, é um desafio e tanto.

Apesar disso, a ilha está atualmente passando por um processo gradual de recuperação econômica e pretende terminar o ano com um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de cerca de 2%, disse o vice-primeiro ministro.

Ele advertiu, entretanto, que levará tempo para retornar aos níveis de atividade de 2019, pois o objetivo é recuperar dos 10,9% de contração experimentados em 2020.

A inflação é, para a população, a face mais visível desta queda, tendo que pagar no mercado ilegal até sete vezes o valor das necessidades básicas, como a alimentação, devido à insuficiência da oferta no mercado formal.

A isto se soma o impacto do processo de reorganização monetária iniciado em 1ú de janeiro de 2021, que envolveu a desvalorização do peso cubano em relação ao dólar (1 a 24), o aumento dos preços e do poder aquisitivo, uma vez que os salários e as pensões também aumentaram.

Tudo isso significa que, no momento, as autoridades econômicas são incapazes de dizer o quanto a inflação aumentou.

Gil explicou que embora seja possível comparar os preços oficiais de 2021 com os de 2020, este cálculo mostraria apenas parte da realidade, o que inclui o impacto da desvalorização da moeda, mas não se pode evitar que muitas pessoas não comprem produtos no mercado estabelecido, mas no mercado ilegal.

‘Não há dúvida de que a inflação é alta’, disse o Ministro da Economia, mas ele afirmou que o objetivo político do país é enfrentá-la sem recorrer a soluções neoliberais.

Ele mencionou a eliminação de tarifas sobre importações de alimentos e medicamentos, bem como sobre insumos trazidos do exterior pela administração não estatal; um sacrifício fiscal que procura evitar a transferência desses custos para os preços finais.

Da mesma forma, foram autorizadas as vendas de garagem, cerca de 60 casas de comissão foram abertas no país e os obstáculos que existiam para a comercialização de estoques ociosos foram removidos, o que contribui para aumentar as ofertas.

O vice-primeiro ministro deu um papel importante ao aumento da produção agrícola e referiu-se ao controle da liquidez nas mãos da população, mas disse que as medidas fiscais, monetárias e outras medidas administrativas terão apenas um efeito limitado.

‘Enquanto houver escassez de oferta e pessoas envolvidas na revenda, se houver uma demanda capaz de adquirir esses produtos aos preços que eles têm no mercado hoje, os processos inflacionários continuarão’, disse ele. O valor da moeda estrangeira na economia subterrânea também tem um impacto sobre este fenômeno, uma vez que implica o acesso a produtos em moeda livremente conversível; entretanto, explicou Gil, o país não está em condições de vendê-los e combater seu câmbio ilegal.

Ele acrescentou que a responsabilidade social e a ética também desempenham um papel na abordagem do problema, porque em um país como Cuba, que não cobra pelos serviços de saúde, educação e outros benefícios, é eticamente insustentável aumentar excessivamente os preços.

‘Temos que chamar todos os atores para entender a situação e não tirar proveito das necessidades do povo’, disse ele.

jha/kmg/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.