1 de December de 2021

NOTICIAS

Cuba contra as tentativas de desestabilização

Cuba contra as tentativas de desestabilização

Havana, 13 out (Prensa Latina) A convocatória para uma marcha e a petição às autoridades municipais para sua realização, em suposto respeito aos preceitos constitucionais, surgem hoje como vestígios das tentativas de desestabilizar Cuba e sua Revolução.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No dia anterior, os governos de várias demarcações, como Havana Velha, Consolación del Sur (ambas no oeste do país), Cienfuegos, Santa Clara, Nuevitas (centro), Holguín e Guantanamo (leste) rejeitaram a atividade inicialmente proposta para 20 de novembro e negou a sua realização.

As cartas, publicadas nos portais dessas instâncias, concordaram em considerar a convocação uma provocação de caráter ilegítimo e de duplo caráter.

A secretária do Conselho de Administração de Guantanamo, Laritza Blancart, questionou os reclamantes que queriam ‘tomar a Constituição da República como um pedestal para jogar contra os interesses anexacionistas, pró-imperialistas e de mudança de regime’.

Ela destacou que ‘não se reconhece a legitimidade nas motivações da marcha’ e reiterou que os organizadores da iniciativa estão vinculados a instituições e agências financiadas pelos Estados Unidos, com a intenção manifesta de modificar o sistema político da ilha.

A mensagem das autoridades destaca que, imediatamente após o seu anúncio, a convocação recebeu o apoio público de legisladores norte-americanos, operadores políticos e meios de comunicação que incentivam ações contra o povo cubano, tentam desestabilizar o país e apelam à intervenção militar.

O documento lembra que o artigo 56 da atual Constituição prevê entre os requisitos para o exercício do direito de manifestação, a legalidade e o ‘respeito à ordem pública e cumprimento das normas estabelecidas por lei’.

De igual forma, aponta ao artigo 45 da carta magna, o qual cita que o ‘exercício dos direitos das pessoas só está limitado pelos direitos dos demais, o bem-estar geral, o respeito a ordem pública, a Constituição e as leis’.

A legislação define que o sistema socialista é irrevogável, ‘para o qual todas as ações tomadas contra ele são ilegais’, enfatiza o comunicado.

A atual Magna Carta foi amplamente debatida e aceita em referendo por 86,85% dos eleitores, uma maioria que escolheu livre e soberanamente o sistema socialista.

‘Desta forma o eleitor aprovou sua irrevogabilidade e o direito de lutar por todos os meios a quem tenta derrubar a ordem política, social e econômica estabelecida’, sublinha o texto.

A carta menciona ainda que, embora a realização deste ato invoque um direito constitucional, não pode ser exercido contra os demais postulados da Constituição, que determinam o caráter ilegal da marcha.

oda/cgc/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.