6 de December de 2021

NOTICIAS

Semana de desacordos entre o partido no poder e a oposição na Bolívia

Semana de desacordos entre o partido no poder e a oposição na Bolívia

La Paz, 9 out (Prensa Latina) A Bolívia encerra hoje uma semana de desentendimentos entre autoridades oficiais e setores da direita da oposição, que novamente pretende desestabilizar o país com a convocação de uma greve geral para o dia 11 de outubro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Políticos, legisladores, acadêmicos, pesquisadores, entre outros, denunciaram as pretensões da oposição de perturbar a ordem constitucional e jogar um manto sobre os culpados do golpe de 2019, no momento em que a justiça continua suas investigações.

Na segunda-feira, o governador de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho, o ex-candidato presidencial Carlos Mesa e o ex-presidente Jorge Fernando Quiroga, promoveram mobilizações para o dia 10 de outubro e no dia seguinte uma greve nacional contra o governo de Luis Arce.

Para o diretor do Centro de Pesquisas Sociais, Jiovanny Samanamud, a oposição pretende se reposicionar após a derrota eleitoral de outubro de 2020 e para isso tenta polarizar o cenário político com mobilizações e uma greve nacional.

O especialista garantiu que não há polarização e que a tentativa ‘bastante política’ da direita tenta polarizar.

Ele destacou que há uma ‘falta de coordenação e má configuração do bloco de direita’ depois do que aconteceu no ano passado com o triunfo do Movimento pelo Socialismo.

O vice-ministro da Defesa dos Direitos do Utilizador e Consumidor, Jorge Silva, declarou por sua vez que os organizadores da medida de força procuram promover a impunidade a quem cometeu sedição, violou os direitos humanos e o erário público.

As declarações públicas dos opositores ratificam que em 2019 não houve sucessão constitucional, mas sim um golpe ilícito contra a Constituição, e o que se viu não precisa de mais investigações, ‘basta colocar esses atos na mesa’ para que a justiça possa agir, ele enfatizou.

Referindo-se à greve, o líder do Movimento pelo Socialismo, Evo Morales, disse que prejudica as pessoas que têm o direito e a necessidade de trabalhar, e qualificou os planos da oposição no domingo e na próxima segunda-feira como ‘ações políticas irresponsáveis’.

O debate político e ideológico deve servir para melhorar as condições de vida das pessoas e não para destruir sua economia, disse o líder boliviano.

Em resposta aos planos da oposição, diversos setores do sindicato rejeitaram a convocação, como o Sindicato dos Transportadores de Santa Cruz, que denunciou pressões de políticos ligados à greve, e a Coordenadoria de Organizações, Coletivos e Blocos Urbanos de La Paz e El Alto.

Este último, que reúne 70 organizações, declarou-se em estado de emergência diante de ameaças desestabilizadoras e qualificou o anúncio da direita de uma medida ‘política e antipopular’.

Em meio à licitação, o governo expôs esta semana o manejo incorreto dos relatórios estatísticos do governo golpista de Jeanine Áñez em relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, que expôs as irregularidades do governo anterior.

Enquanto isso, em discurso na Cúpula Departamental para a Reconstrução Econômica e Produtiva de La Paz, o Presidente Luis Arce destacou os resultados de seu Governo desde novembro do ano passado com a implementação de medidas em favor da população.

O presidente elogiou a evolução da economia em pouco tempo e reconheceu avanços em setores como saúde e educação.

msm / jcd/ ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.