6 de December de 2021

NOTICIAS

Cuba lembra o Crime de Barbados

Cuba lembra o Crime de Barbados

Havana, 6 out (Prensa Latina) Os alunos da Escola Superior de Melhoramento Atlético de Havana, em Cuba, receberam em um dia como hoje, mas em 1976, a notícia da explosão da aeronave CU-455 da Cubana de Aviación nas águas barbadenses.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Posteriormente constatou-se que, após a eclosão em pleno vôo, não houve sobreviventes e, entre os passageiros, estavam os 24 integrantes da delegação de esgrima que voltavam à pátria vitoriosos no IV Campeonato Centro-Americano e Caribenho dessa modalidade, realizada na Venezuela.

Emma Bárbara Alfonso Trujillo, então integrante da equipe juvenil de vôlei, lembrou exclusivamente para a Prensa Latina que naquele dia não havia aula na escola, porque entre a emoção e a incerteza os professores e estudantes ‘não tinham cabeça’.

‘A última vez que vi Virgen Felizola, Inés Luaces, Milagros Peláez e Nancy Uranga foi na manhã anterior à viagem, enquanto iam tomar café. Estávamos treinando boliche com o técnico Celestino Suárez e nos perguntaram quando iríamos nossa competição no Canadá ‘, lembrou.

Mantinha um vínculo estreito com Felizola, pois ambos cursavam a docência na mesma aula e dormiam em abrigos contínuos e, apesar da pouca idade, a floretista, natural da província oriental de Santiago de Cuba, acumulava experiências em torneios na Romênia e na Polônia.

‘Desde aquela data, tenho um luto que vai durar a vida toda. Se eu tivesse um problema, sempre vinha me ajudar. Lembro-me que quando meus pais se divorciaram, me aconselhou muito. Eu disse que sairia da escola para acompanhar minha mãe em casa e ela desaprovou essa decisão ‘, confirmou Alfonso Trujillo.

O que aconteceu em 1976?

Beatriz Abreu estava na décima primeira série no colégio Pablo de la Torriente Brau em Playa, Havana, quando em 15 de outubro de 1976 assistiu ao ato de luto de despedida dos depois nomeados Mártires de Barbados, na Praça da Revolução e com a presença do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro.

‘Chegamos na escola e eles organizaram nossa saída para a Praça. Estávamos tão perto do palco que pudemos ver os parentes comovidos, embora houvesse milhares de pessoas no local. Hoje é impossível precisar a cifra, o silêncio só foi interrompido pelos soluços e palavras de Fidel’, revelou.

Naquele dia o líder cubano fez um discurso emblemático: ‘(…) os mártires do país ascenderam ao belo Olimpo para sempre (…) choramos hoje junto com os entes queridos das vítimas do abominável crime de Barbados e quando um povo enérgico e viril chora, a injustiça estremece. ‘

Nesse ano, aumentaram os ataques terroristas promovidos pela Agência Central de Inteligência (CIA) contra diplomatas, aviões e barcos da ilha que, na opinião de historiadores, constituíram uma vingança contra Cuba por sua participação na derrota contra o apartheid sul-africano em Angola.

As investigações após a explosão do avião civil com 73 pessoas a bordo – 57 cubanos, 11 guianenses e 5 coreanos – resultaram na prisão dos cidadãos venezuelanos Freddy Lugo e Hernán Ricardo, autores materiais encarregados de colocar as cargas explosivas em uma viagem anterior do navio.

Anos depois, um documento divulgado pela CIA de junho de 1976 descobriria como o terrorista cubano Orlando Bosch planejava colocar uma bomba em um vôo da companhia aérea Cubana de Aviacion, na rota Panamá-Havana, com datas das ações.

Após o ataque, a polícia venezuelana prendeu Bosch e o ex-agente de inteligência cubano-americano Luis Posada Carriles e invadiu seu escritório de Investigações Comerciais, onde apareceram provas e equipamentos ligados ao que ficou conhecido como o Crime de Barbados.

O longo processo judicial contra eles na nação sul-americana experimentou irregularidades e pressões do governo dos Estados Unidos e da CIA, e em 1982 Carriles fugiu de uma prisão venezuelana para El Salvador, país de onde interveio nos assassinatos de revolucionários e do tráfico de drogas

A historiografia refere que, até a sua morte em 23 de maio de 2018, cometeu ações terroristas, permaneceu na prisão por um breve período em 2000 no Panamá – ‘libertado pela então presidente Mireya Moscoso’ após uma tentativa de assassinato contra Fidel Castro.

Segundo especialistas, Bosch foi declarado inocente e até sua morte em 2011 residia na cidade de Miami, nos Estados Unidos, e anos depois, quando questionado sobre as vítimas civis da sabotagem de aviões, afirmou que eram todos membros do governo cubano comunista e mereciam morrer.

Como era a Virgen Felizola?

Integrante da seleção feminina de florete, Felizola nasceu em 1959 e, segundo especialistas, foi uma das atletas com grandes perspectivas de integrar a seleção nacional de sua disciplina nas próximas Olimpíadas de 1980, em Moscou.

Seu companheiro Alfonso Trujillo lembra dela ‘tímida, inteligente, responsável e estudiosa. Seu uniforme estava sempre limpo e os cabelos bem penteados. As derrotas ajudaram-na a seguir em frente e ela me disse que se Fidel não tivesse descido da Sierra Maestra, ela, oriental, negra e pobre, talvez não pudesse estudar’.

Admiradora do médico argentino-cubano Ernesto (Che) Guevara de la Serna, a jovem Felizola formou-se em um imponente edifício no Prado 207, hoje sede da Escola Nacional de Ballet, antigo palácio da Associação de Dependentes do Comércio de Havana.

‘Quando não íamos para aquele espaço, dividíamos a rua da 5ª Avenida, por volta das seis ou sete da manhã, para os preparativos de rotina antes das competições. Eles seguiam uma dinâmica forte como integrantes da seleção nacional’, disse.

Às vezes, a mãe de Emma acompanhava Virgin às reuniões de pais e em uma delas ela lhe deu o livro ‘Al fin de cuentas’, do escritor soviético Boris Polevoi, testemunho de seu autor como correspondente do jornal Pravda, órgão oficial do Comitê Central do PCUS até 1991.

‘Nessa compilação de notas, o jornalista relata as atrocidades cometidas pelos fascistas durante a Segunda Guerra Mundial. Quando estive em um centro de treinamento na Alemanha, em julho de 1977, aproveitei para visitar o crematório de Nuremberg mencionado no texto’, concluiu.

ga/dgh/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.