1 de December de 2021

NOTICIAS

ONG israelense denuncia plano expansionista na Cisjordânia ocupada

ONG israelense denuncia plano expansionista na Cisjordânia ocupada

Tel Aviv, 2 out (Prensa Latina) A ONG Peace Now advertiu hoje que os planos do governo israelense de construir 3.400 unidades habitacionais de colonos na área E1 da Cisjordânia enterrarão qualquer processo de paz e a solução de dois Estados.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O projeto é ‘excepcionalmente letal para as perspectivas de paz e a solução de dois Estados, pois corta a Cisjordânia e impede o desenvolvimento metropolitano das cidades de Ramallah e Belém, bem como de Jerusalém Oriental’, disse a organização, criada por ex-militares israelenses, em seu website.

Lembrou que esta iniciativa tem gerado durante anos uma forte rejeição em Israel e na comunidade internacional.

A este respeito, ele enfatizou que, embora haja planos para desenvolver tal ideia desde os anos 90, devido à forte oposição, ela não foi aprovada até 2012, quando o então primeiro-ministro Benjamin Netanyahu lhe deu luz verde.

Seu sucessor Naftali Bennett está agora promovendo as perigosas políticas de Netanyahu, ele advertiu.

Conhecida como a área E1 ou corredor E1, a área de cerca de 12 quilômetros quadrados tem uma posição chave por estar localizada entre Jerusalém Oriental e a colônia judaica de Ma’ale Adumim.

As autoridades palestinas afirmam que além de conectar os dois assentamentos, o objetivo de Tel Aviv é isolar Jerusalém Oriental do resto da Cisjordânia, que também seria cortada em dois.

A parte oriental da metrópole ocupada por Israel é considerada a capital do futuro Estado palestino, posição defendida pela maioria da comunidade internacional e pela ONU.

Em recente entrevista ao jornal americano The New York Times, Bennett garantiu que um Estado palestino nunca será criado sob sua administração e afirmou que a política de colonização vai continuar.

De acordo com números oficiais palestinos, o país construiu mais de 31.000 casas nos 144 assentamentos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental desde 2004 e ergueu outros 139 postos avançados para futuros assentamentos. Enquanto isso, o número de colonos cresceu de 415.000 há 17 anos para 660.000 em 2019, apesar da rejeição da comunidade internacional e das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

msm/rob/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.