6 de December de 2021

NOTICIAS

Dias difíceis para Biden

Dias difíceis para Biden

Havana, 2 out (Prensa Latina) A aparente perda de apoio do Presidente Joe Biden entre sua base política está levantando receios entre os democratas sobre a falta de entusiasmo que os eleitores poderão demonstrar nas eleições estadunidenses de meio de mandato marcadas para novembro de 2022.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O presidente enfrenta dias difíceis no momento em que seu empurrão inicial se enfraquece frente a um Congresso fortemente dividido e outros desafios em casa, dizem os analistas.

Obstáculos em Washington para mudar as leis de imigração e criar um caminho para a cidadania dos chamados Dreamers, negociações bipartidárias para reformar o policiamento que entrou em colapso e imagens de repressão contra migrantes haitianos na fronteira EUA-México lançam sombras sobre a administração de Biden.

Além disso, o ressurgimento da Covid-19 e as críticas à retirada caótica do Afeganistão são fatores conflitantes que ameaçam desiludir afro-americanos, latinos, jovens e independentes, que desempenharam um papel vital na construção de uma coalizão que deu aos democratas o controle do Congresso e da Casa Branca nas eleições de novembro de 2020.

Talvez por isso haja um senso de urgência para intermediar algum tipo de acordo entre as alas progressista e moderada do partido azul para avançar com um pacote de 3,5 trilhões de dólares que reformularia fundamentalmente os programas sociais do país.

Se isso não for feito, advertem os estrategistas do partido, poderia ser devastador para os democratas na votação de 2022 e levantam-se dúvidas sobre o caminho de Biden para a reeleição caso ele decida buscar um segundo mandato, embora alguns observadores pontuem que ele será um presidente de um mandato.

Outros, entretanto, acreditam que talvez seja cedo demais para entrar em pânico, porque os atuais ocupantes da Sala Oval, apesar de sofrerem um declínio significativo, são significativamente melhores que os do Trump no mesmo ponto de sua presidência.

Os mais otimistas pensam que com mais de um ano pela frente antes das eleições legislativas, Biden e líderes partidários têm tempo para ‘corrigir o rumo’.

Outras questões no tabuleiro de xadrez público, como a preocupação com o futuro da prática do aborto e a ofensiva republicana para restringir o direito de voto, poderiam galvanizar os democratas, mesmo que eles fiquem desapontados com o persistente impasse no Capitólio.

Uma recente pesquisa do Pew Research Center pinta um quadro cada vez mais sombrio para o presidente e seu partido. Desde julho, o país encontrou uma queda de 14 pontos percentuais no apoio entre os eleitores de 18 a 29 anos, uma queda de 16 pontos percentuais entre os latinos e uma queda de 18 pontos percentuais entre os afro-americanos.

Com certeza, a mudança no segmento negro da população de 85% para 67% foi especialmente preocupante, uma vez que eles foram a fonte de apoio mais confiável da Biden na corrida de 2020.

‘Eu disse que vou levar um ano para entregar tudo o que estou vendo aqui’, disse ele em comentários recentes aos repórteres quando perguntado por uma resposta sobre o ritmo lento no Congresso.

Mas ‘dê uma olhada no que eu herdei quando cheguei ao cargo’, disse ele como forma de defesa, admitindo como ele tinha que lidar ‘com a panóplia de coisas que caíram sobre mim’.

mem/dfm/vmc

(Extraído de Orbe)

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.