9 de December de 2021

NOTICIAS

Relatório desclassificado dos EUA desmonta invenção de ataque sônico

Relatório desclassificado dos EUA desmonta invenção de ataque sônico

Washington, 1 out (Prensa Latina) Um relatório desclassificado do Departamento de Estado afastou hoje a teoria das causas que estariam por trás dos supostos ataques acústicos relatados em 2017 por diplomatas norte-americanos em Havana.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O documento, que desmonta o argumento político utilizado pelo governo do ex-presidente Donald Trump para reforçar o bloqueio dos Estados Unidos a Cuba, foi concluído em 2018, mas agora vem à tona para ratificar o que a comunidade científica já demonstrou.

De acordo com o estudo, não existem armas de micro-ondas associadas ao suposto problema de saúde que levou o governo Trump a decidir desmantelar sua embaixada na capital cubana.

Além disso, assim iniciou um aumento de sua agressividade que levou à posterior adoção durante o mandato republicano (2017-janeiro de 2021) de mais de 240 medidas adicionais – ainda em vigor – em uma reviravolta do cerco unilateral de Washington à ilha antilhana.

Os Estados Unidos, sem provas, acusaram Cuba de um suposto atentado deliberado contra seu corpo diplomático credenciado em Havana, o qual, desde o início, foi categoricamente negado pelas autoridades do país insular.

Em julho passado, o presidente Joe Biden ordenou ao Departamento de Estado que examinasse a possibilidade de aumentar o quadro de funcionários de sua representação na ilha em meio à longa e prometida revisão da política em relação às Grandes Antilhas.

Em múltiplos cenários, o ministro da relações exteriores cubano, Bruno Rodríguez, reiterou que seu país nunca perpetrou ou perpetrará atentados de qualquer natureza contra funcionários diplomáticos ou suas famílias, sem exceção e que não permitiu nem permitirá que este território seja utilizado por terceiros com semelhante propósito.

Isto corresponde à adesão de Cuba às suas obrigações com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961, no que diz respeito à proteção da integridade dos funcionários credenciados em solo nacional, bem como de suas famílias. Outro relatório desclassificado do Departamento de Estado no início deste ano sugeriu que a decisão de Trump na embaixada de Havana foi, acima de tudo, uma resposta política atormentada por má gestão, falta de coordenação e não cumprimento de procedimentos.

Muito simplesmente, o histórico de incidentes de saúde e falsas acusações levou a uma escalada de declarações e ações por parte da administração Trump, disse na época Johana Tablada, vice-diretora geral para os Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores . Tais ações ‘endureceram o bloqueio e redobraram a hostilidade contra Cuba’, advertiu na ocasião.

jcm/dfm/hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.