27 de June de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Fidel na ONU, cinco horas de história

Fidel na ONU, cinco horas de história

Nações Unidas, 26 set (Prensa Latina) O primeiro discurso do líder cubano Fidel Castro perante a Assembleia Geral da ONU ocorreu em um dia como hoje, há 61 anos e continua sendo um dos mais críticos da filosofia da guerra.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O discurso ocupou a atenção do fórum por quase cinco horas e é um dos mais longos discursos proferidos em plenário.

Mas não é a sua extensão que mais transcende aquelas primeiras palavras do líder da Revolução Cubana perante o maior órgão da ONU, foi o seu ataque à filosofia brutal da guerra, concordam os analistas.

A denúncia de numerosas ações do Governo dos Estados Unidos contra a Revolução Cubana e o uso da força por meio da crescente corrida armamentista foram os argumentos centrais do discurso que provocou repetidas ovações e aplausos.

Fidel Castro (1926-2016) criticou como a guerra foi usada para monopolizar os países subdesenvolvidos e roubar seus recursos, e atacou a política estadunidense em relação a Cuba e outras nações da América Latina, Ásia e África.

‘As guerras, desde o início da humanidade, surgiram, fundamentalmente, por um motivo: o desejo de alguns de privar outros de suas riquezas. Desaparecer a filosofia da expropriação, e a filosofia da guerra terá desaparecido’, disse ele.

Além disso, mostrou como a corrida armamentista sempre foi um grande negócio para os monopólios, que como corvos ‘se alimentam dos cadáveres que as guerras nos trazem’.

Quando o líder chegou à cidade de Nova York em 19 de setembro de 1960, ele era o jovem primeiro-ministro cubano, campeão de uma revolução nascente que atrapalhava os planos de Washington.

Nas esferas de poder dos Estados Unidos, a animosidade contra a Revolução Cubana havia aumentado. Fidel chegou a denunciar um tratamento abusivo no Hotel Shelburne e depois decidiu se hospedar com sua delegação no Hotel Theresa, localizado em um dos bairros mais pobres de Nova York: o Harlem.

Ele foi excluído das reuniões e encontros oficiais, mas dos residentes do Harlem – a maioria afro-americanos – ele encontrou apoio, admiração e uma recepção calorosa.

No Hotel Theresa, que fechou em 1967 e agora abriga escritórios, ele recebeu o defensor dos direitos civis Malcolm X, se encontrou com o líder soviético Nikita Khrushchev pela primeira vez e se reuniu com o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser e o primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru.

Manifestações espontâneas surgiram sob a sacada de seu quarto, onde pendurou uma bandeira cubana e falou em certa ocasião a milhares de partidários da Revolução. Ele também foi cercado por provocações e distúrbios causados ​​por pequenos grupos que se opõem ao processo de mudança que se iniciava na ilha.

Enquanto as autoridades norte-americanas assumiam uma atitude abertamente hostil, no Harlem Fidel encontrou um ambiente amigável, rodeado pela comunidade pobre e afro-americana que o acolheu e ainda se lembra dele.

mem / ifb / ls

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.