1 de December de 2021

NOTICIAS

Aumento do número de assassinatos de árabes em Israel

Aumento do número de assassinatos de árabes em Israel

Tel Aviv, 22 set (Prensa Latina) Quase 90 árabes foram assassinados desde janeiro em Israel, um número que está a caminho de eclipsar os dados de 2020, quando um recorde negativo de 96 foi alcançado, denunciou hoje um jornal nacional.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O jornal The Times of Israel destacou que nas últimas 48 horas três membros dessa comunidade morreram violentamente, o último deles foi baleado em seu carro perto da cidade de Ramat Hovav, no sul do deserto de Negev.

Um homem foi morto e outros cinco ficaram feridos em um tiroteio em um casamento na cidade de Taibe na segunda-feira, e outro jovem foi morto horas antes na cidade de Zarzir, em um aparente confronto entre gangues rivais.

Apenas uma parte de Israel pode ser considerada em estado de ordem pública, a outra é marcada pela anarquia, denunciou recentemente o Comitê Nacional de Chefes de Autoridades Locais Árabes.

Os descendentes de palestinos que não foram expulsos de suas terras após a criação do Estado judeu em 1948, desde então denunciaram que são tratados como cidadãos de segunda classe.

Atualmente, há 1,9 milhão de pessoas que representam quase 21% da população total deste país levantino.

A ONG Sikkuy afirma que um dos principais motivos das diferenças entre os cidadãos árabes e judeus é a distribuição desigual dos recursos do Estado.

A segregação entre as duas comunidades é a norma em Israel, especialmente em habitação e educação, enfatizou.

Sikkuy destacou em seu relatório anual de 2020 que 14,5% das famílias judias vivem abaixo da linha da pobreza, enquanto entre as famílias árabes o flagelo chega a 45,3%.

Esta situação causou um surto social em maio passado em cidades mistas ou povoadas principalmente por pessoas de origem palestina, em meio a uma ofensiva militar das forças de Tel Aviv contra a Faixa de Gaza e a repressão em Jerusalém Oriental.

Além de denunciar a agressão contra seus irmãos palestinos, os manifestantes reivindicaram direitos iguais e o fim da discriminação legal, econômica e institucional.

Cidades como Lod, Acre, Ramle e Jaffa foram palco de violentos distúrbios, descritos pelo então presidente israelense Reuven Rivlin como ‘uma guerra civil’.

ga/rob/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.