7 de December de 2021

NOTICIAS

Política de sanções dos EUA tem eficácia duvidosa

Política de sanções dos EUA tem eficácia duvidosa

Washington, 18 set (Prensa Latina) Os Estados Unidos estão baseando sua política externa em sanções, de acordo com Daniel W. Drezner, professor de política internacional da Escola Fletcher de Direito e Diplomacia da Universidade Tufts.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em uma análise abrangente publicada no site www.foreignaffairs.com (Os Estados Unidos das Sanções. O Uso e Abuso da Coerção Econômica), o acadêmico enfatizou que a verdade é que a fixação de Washington com sanções tem pouco a ver com sua eficácia e tudo a ver com algo mais: o declínio dos EUA.

Em teoria, as superpotências deveriam possuir uma gama de ferramentas de política externa: poder militar, sedução cultural, persuasão diplomática, proeza tecnológica, ajuda econômica, entre outras, disse ele.

Mas para qualquer um que tenha prestado atenção à política externa dos EUA durante a última década, é evidente que Washington depende de uma ferramenta acima de todas as outras: sanções econômicas, disse o especialista.

O relatório observou que as sanções – medidas tomadas por um país para interromper o intercâmbio econômico com outro – se tornaram a solução para quase todos os problemas de política externa.

O especialista acrescentou que durante a administração do ex-presidente Donald Trump, por exemplo, as medidas punitivas e sanções identificadas durante a administração Obama dobraram. Neste sentido, e somente no caso de Cuba, foram aplicadas mais de 420 ações que ainda hoje o governo de Joe Biden mantém, apesar das promessas eleitorais de eliminá-las.

Assim como no país caribenho, são mantidas políticas punitivas contra o Irã, pressão da Venezuela, Rússia e China, para citar apenas alguns exemplos.

Esta dependência de sanções econômicas seria natural se elas fossem particularmente eficazes para conseguir que outros países fizessem o que Washington quer, mas não o são, advertiu Drezner.

Um estudo do Escritório de Prestação de Contas do Governo de 2019 citado pelo acadêmico descobriu que mesmo o governo federal não estava necessariamente ciente de quando as sanções estavam funcionando.

Em outra parte de sua análise, ele chama a atenção para o fato de que as sanções futuras provavelmente serão ainda menos efetivas à medida que a China e a Rússia se lançarem para socorrer os atores visados e à medida que os aliados e parceiros americanos se cansarem da aplicação repetida da pressão econômica.

Em conjunto, estes desenvolvimentos tornarão o dólar estadunidense menos central para as finanças globais, reduzindo o efeito das sanções baseadas nesta dominância, acrescentou ele.

Ele observou que Washington enfrenta um dilema: um número crescente de desafios de política externa, no entanto, ele disse que tem um conjunto encolhido de ferramentas para resolvê-los. Enquanto isso, sua ferramenta favorita, as sanções, está se desgastando com o uso frequente.

msm/lb/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.