16 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Governo argentino está passando por um momento difícil

Governo argentino está passando por um momento difícil

Buenos Aires, 17 set (Prensa Latina) Em uma das semanas mais conturbadas do ano, o governo argentino atravessa hoje um momento difícil com uma crise interna que envolve o país, enquanto se destaca o chamado à unidade para superar a turbulência.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

As opiniões vêm e vão de todos os lados e nos canais de televisão. A Frente de Todos está em meio a uma época de definições.

Esta é a proposta política que levou o Presidente Alberto Fernández à Casa Rosada em 2019, de mãos dadas com Cristina Fernández, que após o duro revés das primárias do último domingo está passando pelo momento de maior atrito desde que começou sua administração, há quase dois anos. Enquanto aguardamos as declarações de Fernández depois de pelo menos 10 funcionários, incluindo vários ministros, renunciarem a seus postos, o veredicto final ainda é desconhecido.

Nas últimas 48 horas, houve momentos muito tensos após o dia da eleição e, em águas agitadas, certos oradores da oposição também surgiram com seu habitual discurso ferino para acrescentar combustível ao incêndio.

Reunido durante todo o dia com conselheiros, o presidente decidiu cancelar sua viagem ao México para a cúpula da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe, onde era esperado, já que a Argentina está se propondo a assumir a presidência pro tempore em 2022.

De acordo com informações da mídia, ele será substituído no encontro pelo Ministro das Relações Exteriores Felipe Solá.

Em sua agenda para sexta-feira, ele só agendou uma participação virtual no Fórum das Principais Economias sobre Energia e Clima, uma reunião convocada por seu homólogo estadunidense Joe Biden, que será fechada e sem acesso à imprensa.

Ontem, tanto o presidente como Cristina Fernandez declararam suas posições sobre o assunto em meio a este momento difícil, com duras críticas da vice-presidente, em uma extensa carta publicada no final da tarde.

Em uma série de mensagens nas redes sociais, o chefe de Estado foi o primeiro a se referir à situação, ressaltando que ele continuará garantindo a unidade de sua formação política, Frente de Todos, com base no respeito, mas esclarecendo que sua administração continuará a se desenvolver como ele julgar conveniente.

Ele enfatizou, entre outras coisas, que foi para isso que foi eleito e observou que a Frente deve ouvir a mensagem das urnas e agir com responsabilidade.

‘Há dois modelos em confronto no país e que estão sendo debatidos nestas eleições: o que não acredita no trabalho e na produção e só promove a especulação financeira, e o que acredita que com uma produção forte vamos recuperar a dignidade do trabalho para todos’, disse ele.

Por sua vez, a vice-presidente pediu ao presidente que honrasse a vontade do povo argentino e lembrou que quando tomou a decisão de propor Fernández como candidato, o fez com a convicção de que era a melhor coisa para o país.

Ela destacou que durante esse tempo ela havia realizado várias reuniões com o Presidente, nas quais ela lhe disse que acreditava que ele estava executando a política de ajuste fiscal errada, que estava tendo um impacto negativo na atividade econômica e na sociedade como um todo, o que iria ter consequências eleitorais.

‘Eu não disse uma única vez, eu me cansei de dizer isso e não apenas para o Presidente. A resposta foi sempre que não era assim, que eu estava errada e que, de acordo com as pesquisas, íamos ganhar muito bem as eleições. Minha resposta, invariavelmente, foi a de que eu não leio pesquisas, leio economia e política e tento ver a realidade’, ela enfatizou.

A vice-presidente criticou a reação de alguns funcionários que, no dia seguinte às eleições, reagiram como se nada tivesse acontecido no país, fingindo normalidade e, acima de tudo, fugindo para suas cadeiras.

Em sua dura carta, Cristina reiterou sua visão de ‘funcionários que não trabalham’ e acrescentou que o caso do porta-voz presidencial escaparia dessa classificação.

É um caso raro: um porta-voz presidencial cuja voz ninguém conhece, ou ele tem alguma outra função que desconhecemos, como por exemplo, operações off-the-record? Um verdadeiro mistério, ironizou.

oda/may/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.