5 de December de 2021

NOTICIAS

México revive hoje o Grito de Dolores com fervor

México revive hoje o Grito de Dolores com fervor

Cidade do México, 15 set (Prensa Latina) O México revive hoje aquele distante chamado à independência contra a Nova Espanha, conhecido como o Grito de Dolores, lançado em 1810 pelo padre Miguel Hidalgo na paróquia daquela cidade em Guanajuato.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Todos os anos, nesta data, o Grito de Dolores é reencenado na varanda presidencial do Palácio Nacional de frente para a Catedral, no outro extremo da praça, que para os mexicanos é o centro dos feriados bancários.

Começa no último minuto do dia 15 e termina no dia primeiro de 16 de setembro. Mais de vinte gritos são dados, cada um como um slogan, meta ou demanda, e conclui com três vivas para o México. Depois, os sinos tocam, o mesmo sino que tocou Hidalgo e que é colocado na varanda presidencial do Palácio.

As festividades são mais de uma, por isso setembro é chamado o mês da pátria, pois coincide com o início e o fim da guerra de independência, que se encerra no dia 27, mas em 1821, considerado o Dia do Consumo da Independência, com o desfile do Exército Trigarante na Cidade do México.

Também coincide com um acontecimento histórico da maior relevância para o México: a queda em combate em 13 de setembro de 1847 contra os invasores dos Estados Unidos da América dos seis filhos heróis de Chapultepec. Eles foram os protagonistas da última e mais dramática batalha contra a guerra expansionista do nascente imperialismo americano, que começou em 1846 e terminou em 1948 com os despojos da guerra: todo o grande norte mexicano, mais de dois milhões de quilômetros quadrados de uma notável riqueza de recursos naturais.

O México presta homenagem eterna e permanente a esses homens corajosos, do Mausoléu erguido em sua honra na floresta de Chapultepec, muito perto de onde está seu túmulo e no mesmo lugar onde apresentaram resistência tenaz ao usurpador.

É lindo que este ato heroico coincida com os feriados nacionais e que o povo mexicano o comemore com tanto patriotismo fervoroso.

É também uma bela coincidência que no mesmo dia, mas em 1813, foi proclamado o documento patriótico simbolizando a nacionalidade mexicana: Os Sentimentos Nacionais, a base política, ideológica e jurídica da nação, de sua história constitucional e de sua independência da Espanha.

Os Sentimentos Nacionais é um documento que confere organicidade e jurisprudência à identidade mexicana, uma expressão irredutível da patriotismo, independência e paixão soberana do povo, e um fator de unidade dentro da diversidade étnica e cultural da nação.

Foram necessários 11 anos de luta, mas em 27 de setembro de 1821, com a entrada do Exército Trigarante na Cidade do México, a independência foi alcançada.

Isto foi graças a seus grandes heróis e mártires, desde Hidalgo, Allende, Aldama, Jiménez e muitos outros, até José María Morelos y Pavón, Ignacio López Rayón e Vicente Guerrero, que regaram com seu sangue a semente que germinou em homens como Emiliano Zapata, Francisco Villa e muitos outros líderes da grande pátria.

O Exército das Três Garantias foi criado sob o comando de Iturbide, que assumiu a posição de líder máximo e lutou até 16 de setembro de 1821, quando, de Tacubaya, O’Donojú anunciou o fim da guerra.

Iturbide emitiu uma proclamação convidando a população a se reunir sob as bandeiras da liberdade para compartilhar os benefícios da vitória. No dia 27, o Exército das Três Garantias entrou na Cidade do México através do Belen Pass. Às 10h00, o comandante máximo conduziu o desfile até a capital, avançando ao longo do Paseo Nuevo até Corpus Christi Avenue, onde parou na esquina do convento de São Francisco sob um arco triunfal.

O reitor prefeito José Ignacio Ormachea apresentou-lhe as chaves da cidade. Um total de 16.134 tropas desfilaram, das quais 7.416 eram homens de infantaria, 7.955 dragões de cavalaria e 763 artilheiros, que carregavam 68 canhões de diferentes calibres.

Em 28 de setembro, a Junta do Governo Provisório realizou sua primeira sessão no salão de reunião do recém-nomeado Palácio Imperial.

Os 38 membros foram à Catedral para fazer o juramento ao Plano de Iguala e aos Tratados de Córdoba. Às nove horas da noite, ocorreu a assinatura do Ato de Independência do Império Mexicano. O México era agora um país livre, independente e soberano.

ga/lma/bm/gdc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.