8 de December de 2021

NOTICIAS

Moscou comemora, mas não acredita em lágrimas

Moscou comemora, mas não acredita em lágrimas

Moscou, 11 set (Prensa Latina) A capital da Rússia acordou hoje enfeitada com uma infinidade de flores e estandartes em vermelho, branco e azul, as cores de sua bandeira nacional, visíveis por toda parte nesta cidade que comemora 874 anos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Oficialmente, o Dia da Cidade é comemorado no primeiro ou no segundo sábado de setembro e este 11 de setembro foi a data escolhida, embora a folia será tímida pelas ameaças latentes da Covid-19. No entanto, concertos, eventos culturais e festivais de flores foram anunciados em vários parques, museus e centros de exposições.

Segundo historiadores, o nome Moscou vem do rio que o atravessa. Desconhece-se a data exata em que foram lançados os seus alicerces, apenas que se regista a primeira referência à sua existência em 1147, numa das crónicas do Códice de Hipácio.

Ele diz que o príncipe Yuri Dolgoruki de Rostov convidou o príncipe Sviatoslav de Novgorod para encontrá-lo lá, onde nove anos depois ele ordenou a construção de uma paliçada ao redor da cidadela incipiente.

Entre 1237 e 1238, o assentamento foi queimado e saqueado pela invasão mongol da Rússia, mas logo suas forças lideraram a luta contra as hordas e, após sua derrubada, tornou-se o centro do Grande Principado de Moscou.

Com uma posição favorável na cabeceira do rio Volga, Moscóvia, como também era conhecida, tornou-se um lugar próspero e em 1314 teve início a construção do Kremlin.

Já no início do século XIV, a residência dos grandes príncipes localizava-se em Moscou. Mesmo quando a capital foi transferida para São Petersburgo no século 18, os imperadores ainda eram coroados aqui. Seu desenvolvimento sucessivo a sustentou como a capital do reino, do império, da União Soviética e da atual Rússia.

Hoje, com seus quase 12,5 milhões de habitantes, é considerada a cidade mais populosa da Europa. Também o mais verde do planeta, com 20 metros quadrados de árvores e arbustos por pessoa e 54% de sua superfície coberta por parques e jardins públicos, o WorldAtlas reconheceu este ano.

Moscou cresce entre edifícios antigos e modernos, símbolos da economia em expansão do país. É também a vitrine de novos avanços: o início da conexão 5G em áreas centrais ou os primeiros testes de reconhecimento facial em algumas estações do Metrô.

Este último é outro dos muitos orgulhos arquitetônicos dos moscovitas: para os mais sensíveis, uma gigantesca obra de arte subterrânea; enquanto para alguns, é o lugar onde os contrastes sociais são mais visíveis.

Mendigos perambulam por suas belas estações e trens, não desgrenhados como em outras nações pobres, não nas quantias que envergonham outros países, mas mendigos mesmo assim, porque ainda pedem dinheiro ou ajuda para comer ou cuidar de um doente.

Menos visíveis são os bilionários que aqui residem, sendo este o quarto empório do mundo naquele setor e o primeiro no Velho Continente, segundo publicação da Forbes.

Algumas pessoas os consideram raros, porque só aparecem em revistas e na televisão, podem ser imaginados nas coberturas dos arranha-céus de Moscou, ou atrás das janelas de seus luxuosos Bugattis, Roll Royce, Lamborghinis, Ferraris.

Moscou está na lista dos assentamentos mais caros para funcionários estrangeiros, embora pareça contraditório, porque é habitada por mais de um milhão de imigrantes e apenas um quinto é legal, diz o Departamento de Trabalho da prefeitura da cidade.

Porém, neste dia, nativos e estrangeiros, legais e ilegais, saíram para comemorar o aniversário da cidade, para a mais antiga, ainda, capital do povo soviético.

A homenagem ocorre dois dias após o chefe do Departamento de Saúde do governo da capital, Alexei Jripun, alertar sobre uma ‘alta probabilidade’ de uma próxima quarta onda de infecções pelo coronavírus SARS-CoV-2.

O alerta é severo para esta cidade, onde já morreram mais de 27.935 pessoas em decorrência da pandemia, entre os cerca de 1,583 milhão de pacientes.

Mesmo assim, a cidade do Kremlin, a Tumba do Soldado Desconhecido, o Mausoléu de Lenin e a Praça Vermelha; Imortalizado em canções, poemas, perfumes, romances e filmes, este sábado comemora, mas não acredita em lágrimas.

msm / mml /ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.