3 de December de 2021

NOTICIAS

Líbano à beira do caos

Líbano à beira do caos

Beirute, 11 set (Prensa Latina) O Líbano está à beira do caos hoje com o aprofundamento da pior crise econômica em décadas, embora seus cidadãos tenham esperanças de que um governo recém-nomeado seja capaz de apagar essa previsão.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Com grande parte das atividades comerciais paralisadas pela escassez de combustíveis, produtos básicos e medicamentos, o previsível era uma explosão social, da qual ninguém sairia vencedor.

A instalação de um executivo que deve passar pelo filtro do voto de confiança no Parlamento abriu possibilidades para as reformas estruturais esperadas para conter o desastre.

No entanto, os gabinetes anteriores não conseguiram decretá-los, uma das condições exigidas pela comunidade internacional para arrecadar ajuda financeira prometida desde abril de 2018.

Dessa última data até o presente, quase 80 por cento da população caiu abaixo da linha da pobreza, calculada em 3,64 dólares por dia, segundo o Banco Mundial.

Uma desvalorização da moeda em mais de 100% em relação ao dólar americano, ao qual a economia libanesa está atrelada desde 1997, demoliu o poder de compra de um país dependente de importações.

Enquanto isso, o setor estrela do país, o sistema bancário, permanece paralisado com a incapacidade dos poupadores de extrair moeda estrangeira que são forçados a sacar dinheiro na depreciada libra libanesa.

Por outro lado, os preços da cesta básica aumentaram 557% de outubro de 2019 até os dias atuais, segundo o Programa Mundial de Alimentos, e a economia contraiu 30 pontos percentuais desde 2017.

A escassez de combustível impossibilitou um curso normal de vida, afetando serviços essenciais como hospitais, alguns dos quais alertavam que, sem luz elétrica, dezenas de pessoas poderiam morrer.

A Electricité du Liban, empresa estatal de eletricidade, mal oferece uma ou duas horas de serviço por dia, e a geração de energia passou para as mãos de particulares que compram hidrocarbonetos a preços exorbitantes no mercado negro e repassam essas contas aos clientes.

Da mesma forma, a violência explodiu em postos de gasolina com confrontos mortais entre motoristas que esperam dezenas de horas para reabastecer.

Uma disputa em uma estação no sul do país levou a um confronto sectário entre aldeias vizinhas muçulmanas e cristãs e, no norte, em um confronto entre islâmicos sunitas, os contendores recorreram a pesadas metralhadoras e lançadores de foguetes.

O chefe da Segurança Geral do Líbano, Abbas Ibrahim, exigiu posições firmes de seus oficiais, que sofrem igualmente com a desvalorização da moeda nacional como resultado da qual o valor de seus salários diminuiu 80%.

A possibilidade de receber apoio efetivo da comunidade internacional contempla a implementação de reformas para abordar as causas profundas do colapso, incluindo aquelas relacionadas ao combate à corrupção.

Mas em vez de se concentrar nesse ponto, os políticos libaneses estiveram em desacordo por 13 meses sobre as posições no gabinete recém-nomeado.

Os oponentes do Presidente Michel Aoun o acusaram de obstruir o processo de instalação do gabinete exigindo poder de veto na nova formação, o que ele negou repetidamente.

A disputa adotou variantes sectárias, com políticos sunitas, incluindo o ex-primeiro ministro Saad Hariri, que considerou que Aoun tentou minar a posição de chefe de governo reservada para um sunita pela Constituição.

O recém-nomeado chefe do executivo, Najib Mikati, disse que deixaria essas discussões de lado, porque a prioridade seriam outras questões, incluindo as eleições parlamentares do próximo ano.

msm / arc /ml

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.