5 de December de 2021

NOTICIAS

Insegurança domina a capital do Panamá

Insegurança domina a capital do Panamá

Panamá, 6 set (Prensa Latina) Os últimos crimes em plena luz do dia em áreas centrais da capital panamenha levantaram críticas sobre a eficácia das forças de segurança e sobre a necessidade de uma estratégia de segurança eficaz.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O debate foi gerado na mídia após casos consecutivos de tiroteios e assassinatos no meio da rua, estacionamentos de um centro comercial e um edifício privado no até algum tempo atrás distrito exclusivo de São Francisco, todos eles ocorridos no final de agosto passado.

Neste sábado, o pânico mais uma vez tomou conta de transeuntes e motoristas na movimentada estrada Fernández de Córdoba (no distrito vizinho de Vista Hermosa), o cenário de cerca de trinta tiros de um carro para outro, ambos em movimento.

‘Para muitos, São Francisco tornou-se o novo distrito de luz vermelha do país, onde pessoas com poder de compra ilegal, produto do tráfico de drogas, vieram para viver e simular uma vida decente em áreas exclusivas’, disse um relatório da TVN analisando os eventos.

‘Cada dia o país está mais inseguro’, escreveu o jornalista panamenho Álvaro Alvarado no Twitter, rede social onde os vizinhos também lamentaram que ‘infelizmente podemos confirmar que São Francisco é uma área vermelha. Não foi o suficiente com o desastre urbano. Agora a insegurança é a cereja no bolo do fracasso’.

De acordo com relatórios do diário La Prensa, o ministro da Segurança, Juan Pino, disse na semana passada que os três crimes no bairro de luxo estavam relacionados ao ‘acerto de contas sobre o tráfico de drogas’, mas o diretor de polícia John Dorheim disse: ‘Vivemos em um paraíso. Estes são atos criminosos isolados’.

‘Temos estratégias destinadas a combater grupos criminosos e ver sua origem, para trabalhar mais eficientemente’, disse ele ao canal Telemetro, acrescentando que eles estão desenvolvendo ações preventivas e ao mesmo tempo assegurando que os números estão bem abaixo do período mais violento que ocorreu entre 2009 e 2010.

La Prensa também publicou declarações de Carlos Pérez, representante de São Francisco, que considerou que a violência ‘é estrangeira’, reiterou que é ‘acerto de contas’ entre gangues criminosas e explicou o que aconteceu devido ao crescimento econômico da área, o que gera maior vulnerabilidade.

Em sessões da Assembleia Nacional, a deputada da oposição Yesenia Rodríguez também se referiu ao derramamento de sangue das últimas semanas e, ao mesmo tempo, considerou que não há um plano de segurança claro e insistiu: ‘precisamos de um verdadeiro sistema de proteção em nível nacional’.

Sobre o assunto, Jaime Abad, ex-diretor da Polícia Judiciária, disse em entrevista à TVN que este não é um problema do momento e sugeriu a revisão das pesquisas dos últimos 15 anos, nas quais a questão da insegurança é uma constante nas principais preocupações dos cidadãos. O especialista lembrou o acordo de todos os estudos de que a solução é levantar a questão para a categoria de ‘questão estatal’, substituindo os planos temporários dos diretores da polícia e de outras agências de aplicação da lei.

Ele considerou que o ‘tsunami’ produzido pelo crime organizado excederá os esforços que, de boa fé, os funcionários empreendem em suas instituições e previu que somente uma abordagem abrangente do problema e seu enfrentamento alcançará efeitos positivos para a tranquilidade social.

Abad lembrou que especialistas e autoridades haviam advertido no passado sobre o perigo que paira sobre o Panamá como país de trânsito para o tráfico internacional de drogas, onde os cartéis colombianos estão atualmente se chocando com os cartéis mexicanos para dominar o principal mercado, que são os Estados Unidos; ‘nós poderíamos ver isso chegando’, disse ele.

O massacre ocorrido no confronto armado dentro da prisão La Joyita em dezembro de 2019 mostrou uma quadrilha que havia se tornado um cartel e marcado seu território contra outro, e é – na opinião do especialista – a gênese da violência atual no país.

mem/orm/vmc/gdc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.