7 de December de 2021

NOTICIAS

Bolívia rejeita rearticulação de grupos violentos

Bolívia rejeita rearticulação de grupos violentos

La Paz, 3 set (Prensa Latina) A presidente dos familiares daqueles que morreram no massacre da Senkata, Gloria Quisbert, afirmou hoje que eles não permitirão o restabelecimento de grupos irregulares como a Resistência Juvenil de Cochala (RJC) ou outros que procuram convulsionar a Bolívia.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Quispert participou da marcha maciça convocada em La Paz pelos familiares e vítimas dos massacres para exigir justiça para os trágicos acontecimentos de 2019, e denunciou que estes grupos querem repetir a violência que convulsionou o país, mas advertiu que não os deixarão, segundo a agência de notícias local ABI.

O líder criticou Amparo Carvajal, em nome da Assembleia Permanente dos Direitos Humanos, por apoiar o RJC, que violou os direitos do povo de Cochabamba, e por não apoiar o povo e as famílias que sofreram com a violência.

‘Pedimos que a Sra. Carvajal não esteja com os autores intelectuais que se sujaram com tanto sangue’, disse Quispert.

Vítimas de massacres nas cidades bolivianas de Senkata e Sacaba, onde 38 pessoas perderam suas vidas, lideram hoje a marcha chamada a exigir justiça por estes e outros atos perpetrados pelo governo de facto de Jeanine Áñez.

O mês de novembro de 2019 é lembrado pelos bolivianos como um dos mais violentos da história do país, devido à repressão desencadeada pela polícia e militares sob ordens da administração golpista.

Os oficiais uniformizados reprimiram duramente os manifestantes pacíficos em defesa da democracia e da volta ao poder do presidente constitucional Evo Morales, que foi forçado a renunciar.

mem/dla/bm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.