6 de December de 2021

NOTICIAS

Supremo Tribunal Federal vai retomar julgamento sobre terras indígena

Supremo Tribunal Federal vai retomar julgamento sobre terras indígena

Brasília, 1 set (Prensa Latina) O Supremo Tribunal Federal (STF) retomará hoje o julgamento do chamado marco temporal que definirá a vida dos povos indígenas e o futuro da demarcação de suas terras no Brasil.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

No dia 27 de agosto, o STF adiou a análise para esta quarta-feira após a leitura do relatório sobre a ação, um dos casos mais importantes deste segundo semestre.

O tribunal superior apreciará uma ação de recuperação de terras movida pelo governo do estado de Santa Catarina, no sul, contra o povo Xokleng.

O pedido se refere às terras indígenas Ibirama-Laklãno, onde vivem os povos Guarani e Kaingang. Desde 2017, o Estado invoca a tese do marco temporal para reclamar o território.

Segundo essa interpretação, a posse da terra só é garantida àqueles que demonstrarem estar no local na data da promulgação da Constituição Federal, 5 de outubro de 1988. Na prática, isso limita o reconhecimento.

Em 2019, o STF deu status de ‘repercussão geral ‘ ao processo, o que significa que a decisão tomada no caso servirá de diretriz para a direção federal e todas as instâncias da justiça no que diz respeito aos procedimentos de demarcação.

A Defensoria Pública da União (DPU) julgou contra esse marco e considera que o critério é inconstitucional e arbitrário.

Segundo o DPU, a tese não leva em consideração o processo histórico de apropriação e violência sofrido pelos indígenas.

Isso se deve ao fato de que muitas comunidades foram forçadas a se mudar de seus territórios e não os ocuparam em 1988.

O presidente Jair Bolsonaro defende esse marco, alegando que muito poucos indígenas vivem em um lote de terra, o que bloqueia a expansão agrícola.

A determinação do Supremo Tribunal Federal, que pode necessitar de mais de uma audiência, abrirá um precedente legal em um momento em que o ex-militar governante e o agronegócio promovem mudanças legislativas nas áreas protegidas.

Os indígenas que permanecem acampados no centro de Brasília desde 22 de agosto decidiram continuar se mobilizando para acompanhar o histórico julgamento do STF.

Os indígenas, que fazem parte do acampamento Luta pela Vida, ocupam a área do Complexo Cultural Funarte, localizado entre a Torre de Televisão e o Centro de Convenções.

Na sexta-feira, os indígenas marcharam pela Esplanada dos Ministérios até a Praça dos Três Poderes e atearam fogo a um caixão em frente ao Palácio do Planalto (sede do Poder Executivo).

Um fracasso no tribunal implicaria em um retrocesso para os direitos dos povos indígenas no Brasil.

msm/ocs/cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.