6 de December de 2021

NOTICIAS

Rejeição das negociações para a exploração do cobre no Panamá

Rejeição das negociações para a exploração do cobre no Panamá

Panamá, 1ú de set (Prensa Latina) Os panamenhos têm múltiplas expectativas para um novo contrato entre o Estado e a empresa canadense Cobre Panamá, cujas negociações começam hoje em meio à rejeição à exploração mineira e às escassas contribuições ao país.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

‘É uma negociação abrangente que inclui a garantia dos aspectos ambientais, trabalhistas, fiscais, econômicos e de desenvolvimento social para o Panamá, especialmente Colón e as comunicações de Donoso e Omar Torrijos e toda a sua área de influência’, disse o presidente do país, Laurentino Cortizo, em resposta óbvia às indicações.

Durante a apresentação do IV Plano de Ação Nacional para o Governo Aberto, realizada ontem, o presidente disse que se pretende chegar a um contrato que estabeleça os termos da presença das transnacionais no país e as condições para a exploração da mina.

Diante das múltiplas reações contra a presença da subsidiária First Quantum Minerals Ltda., Cortizo reiterou que o país tem que receber receitas substanciais e justas com a extração de seus recursos minerais, além disso, que a extração é feita da melhor forma. práticas estabelecidas pela comunidade internacional para a mineração.

É um investimento de 6,3 bilhões de dólares, para explorar uma veia localizada nas montanhas de donoso, na região noroeste da província caribenha de Colón, onde a capacidade instalada permite a extração de 320 mil toneladas por ano de concentrado de cobre., com elementos de ouro, prata e molibdênio.

Diversas ações judiciais entre ambientalistas, Estado e empresa, da gestão anterior chefiada por Juan Carlos Varela, surgiram em decorrência da concessão inicial que oferecia múltiplas vantagens ao grupo estrangeiro, sendo este apenas obrigado a pagar ao tesouro dois por cento da produção. um dos elementos mais críticos a discutir no novo pacto.

‘Temos certeza de que para chegar a um acordo que beneficie todas as partes, o processo de negociação deve se basear no respeito à segurança jurídica e ao Estado de Direito, tanto para o país quanto para a empresa’, disse Cobre Panamá em nota.

As negociações contam com uma equipe estatal chefiada pelo ministro do Comércio e Indústria, Ramón Martínez, e também formada pelos chefes de Economia e Finanças, Héctor Alexander; Meio Ambiente, Milciades Concepción; e Desenvolvimento do Trabalho e Mão de Obra, Doris Zapata, além de um grupo de especialistas.

No dia 20 de agosto, esta equipe foi abalada pelo escândalo da renúncia do especialista Marcel Salamín, que denunciou irregularidades que possivelmente vão contra os interesses do país e convocou a corrigi-las antes de iniciar as reuniões.

A pedreira de cobre do Panamá tem 3,1 bilhões de toneladas de reservas comprovadas e é uma das maiores novas minas de cobre inauguradas no mundo na última década, segundo a empresa transnacional em seu site.

ga / orm / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.