23 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Crise hídrica alarmante no Chile

Crise hídrica alarmante no Chile

Santiago do Chile, 30 de agosto (Prensa Latina) A crise hídrica sem perspectivas de uma rápida melhoria que está atingindo o Chile fez soar o alarme entre os agricultores e as autoridades, que estão procurando aliviar seus efeitos devastadores.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Ontem, o presidente Sebastián Piñera entrou em ação e anunciou que o governo alocará um fundo de 100 bilhões de pesos (cerca de 130 milhões de dólares) para ajudar essencialmente os pequenos e médios agricultores, os mais afetados pela falta de água.

O presidente descreveu a seca, que vem ocorrendo há 13 anos e é uma consequência direta da mudança climática, como um ‘terremoto silencioso’, e lembrou que o déficit pluviométrico está entre 60 e 80 por cento das médias históricas em grande parte do país.

Ele também disse que a rede de estações de purificação de água do mar continuaria a ser reforçada, especialmente nas regiões de Coquimbo e Valparaíso, as mais afetadas pela escassez do líquido.

Ao mesmo tempo, ele anunciou que serão feitos esforços para progredir no uso de aquíferos naturais injetando água quando houver uma abundância do líquido.

A falta de chuvas levou a uma redução no fluxo de muitos rios, alguns dos quais estão à beira de secar, disse ele.

O problema tem sido exacerbado nos últimos meses pelas temperaturas anormalmente altas do inverno austral, que está prestes a terminar, impedindo o acúmulo de neve em grandes áreas da Cordilheira dos Andes, o que é a garantia de água suficiente na primavera e no verão, tradicionalmente seca neste país.

A crise é mais aguda na área central, que é precisamente onde se concentra a maior parte da população e as principais áreas agrícolas, e em muitos lugares o número de famílias que são abastecidas com água por caminhões-tanque está aumentando.

Na semana passada, o governo decretou uma emergência agrícola nas regiões de Coquimbo, Valparaiso, O’Higgins e Maule, à qual se acrescentou neste fim de semana a Região Metropolitana, onde se localiza a capital e que por si só compreende oito dos 19 milhões de habitantes do Chile.

Enquanto isso, a agricultura está sofrendo e a principal evidência disso é o aumento gradual dos preços de frutas e vegetais devido à redução da oferta.

Por sua vez, os grandes produtores temem uma diminuição das colheitas, o que poderia ter um impacto negativo no que é, após a mineração, um dos principais setores de exportação do país.

Mas a crise da água não se deve apenas à falta de chuvas, mas também ao uso inadequado da água disponível, como repetidamente denunciado por numerosos grupos ambientais e setores da oposição.

Este recurso, fundamental para a vida, está quase inteiramente nas mãos de empresas privadas, que transformam a água em apenas mais uma mercadoria, seguindo o padrão do modelo neoliberal vigente no país.

A Constituição imposta durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) é possivelmente a única no mundo que não estabelece o acesso à água como um direito.

Entretanto, apesar da crise atual, um projeto de lei introduzido há cerca de uma década para reformar o Código de Águas, em vigor desde 1980, está avançando de forma incrivelmente lenta no Congresso Nacional.

A proposta busca estabelecer o direito essencial a este recurso, dar segurança jurídica ao exercício do direito humano de acesso à água potável e ao saneamento, e reafirmar o uso público da água.

Também visa a estabelecer novas regulamentações para a concessão, uso e extinção dos direitos da água e proporcionar proteção para a preservação da água nos ecossistemas terrestres.

mgt/rc/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.