3 de December de 2021

NOTICIAS

Ex-presidente Ricardo Martinelli enfrenta justiça no Panamá

Ex-presidente Ricardo Martinelli enfrenta justiça no Panamá

Panamá, juln (Prensa Latina) Depois de múltiplas manobras judiciais e movimentações para atrasar o processo, o ex-presidente Ricardo Martinelli (2009-2014) enfrenta novamente a justiça no Panamá pelo caso de espionagem telefônica, ao se anular a anterior decisão de 'não culpado'.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A nova estratégia de seu exército de advogados deu resultados parciais quando quatro dos seis demandantes chegaram a acordos extrajudiciais com o acusado, embora no último minuto tenha surgido a dúvida sobre se algum deles é autêntico.

A partir dessa conquista, os jornais Panamá América e Crítica, ambos de propriedade de Martinelli, avançaram conclusões em duas manchetes: ‘Enfraquece segundo julgamento contra Ricardo Martinelli’ e ‘Enfraquece caso pinchazos, restam apenas Balbina e Doens’.

A última referência é sobre os líderes históricos do Partido Revolucionário Democrático, Balbina Herrera e Mitchel Doens, os únicos que permanecem firmes na denúncia, e o primeiro publicou uma carta do ex-presidente convidando-o a recusar sua denúncia, na qual ele reiterou sua alegada inocência em espionagem.

‘Não se trata mais de Balbina Herrera, devemos abrir um precedente. Deixe-o ir à audiência e provar sua inocência’, Herrera respondeu antes do início do julgamento atual, e não se sabe se eles também contataram Doens, cujos advogados denunciaram , em agosto de 2019, suposta compra do veredicto ‘inocente’.

‘Ricardo Martinelli, não estou interessado no seu dinheiro, não estou interessado em me encontrar com você. O julgamento é na quarta-feira e é aí que você deve comparecer, é onde deve provar sua inocência’, disse Herrera dias antes da nova audiência, iniciada em 21 de julho, na qual o processo se repete após recurso que anulou o processo.

Em três dias de sessão, o Ministério Público apresentou depoimentos, documentos e outras provas admitidas pelo tribunal, que negou à defesa o pedido de recesso de 10 dias para estudo de provas acusatórias que até então desconheciam, no que se refere ao conteúdo de computadores e discos compactos, entre outros.

Como parte da informação genérica de uma testemunha das juízas Iveth François Vega (presidente), Jennifer Saavedra e Marysol Osorio, soube-se que o Conselho de Segurança Nacional (CNS), onde foi realizada a escuta telefônica ilegal que levou à denúncia, é encabeçada pelo presidente do país, segundo decreto assinado pelo próprio Martinelli.

A ex-diretora informática da CSN, Iris González, compareceu a pedido do Ministério Público e confirmou que o então Diretor de Inteligência Rony Rodríguez, conhecido como Didier, trabalhou na instituição durante a gestão de Martinelli; William Pittí, apelidado de Guillermo (vice-diretor de Inteligência) e Ismael Pittí, vulgo Brad.

Os primeiros são fugitivos da justiça e vários testemunhos confirmam que eram os operadores do sistema de espionagem telefónica israelita Pegasus, e o advogado dos queixosos, Carlos Herrera, confirmou à imprensa que recuperaram o equipamento informático utilizado por aqueles agentes, que contém provas de espionagem.

Ismael Pittí foi apresentado no julgamento anterior como testemunha protegida e a revelação de sua identidade causou um rebuliço na defesa que tentou desqualificar seu depoimento porque o governo anterior do Panamá o mantinha em uma embaixada.

Apesar dos elementos de convicção admitidos pelo tribunal, Martinelli e seus advogados repetem que é um processo político para impedir o ex-presidente de se candidatar novamente nas próximas eleições para a primeira magistratura, enquanto o acusado insiste em ataques ao sistema judiciário e detém o vice-presidente, Gabriel Carrizo, responsável.

O julgamento pode ser prorrogado, na opinião do promotor Aurelio Vázquez, que assegurou que o Ministério Público pretende apresentar todas as provas cabíveis que demonstrem os crimes pelos quais o ex-governador é acusado e cerca de 150 vítimas executadas, das quais apenas seis estabeleceram queixa, quatro retiraram-se e duas continuam como acusadores.

jcm / orm /hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.