1 de December de 2021

NOTICIAS

Pretendem esconder o bloqueio mais longo e abrangente da história

Pretendem esconder o bloqueio mais longo e abrangente da história

Havana, (Prensa Latina) Os Estados Unidos pretendem ignorar a existência do bloqueio econômico, comercial e financeiro que aplicam contra Cuba, causando prejuízos de mais de um trilhão e 378 milhões de dólares e condenado pela comunidade internacional há três décadas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Isso fica claro nas declarações mais recentes do Presidente Joe Biden e de seus porta-vozes, o uruguaio Luis Almagro, Secretário-Geral da OEA, e a chilena Michelle Bachelet, Alta Autoridade das Nações Unidas para os Direitos Humanos, entre outros.

A suposta ocultação do cerco ilegal e desumano a Cuba impede inclusive o uso do termo ‘bloqueio’, mesmo em sua variante menor ’embargo’, como se não tivesse relação com as atuais dificuldades socioeconômicas de Cuba.

Para muitos diplomatas, essa atitude é também uma zombaria aos mais de 180 governos que, ano após ano, votaram nas Nações Unidas pela necessidade de acabar com o bloqueio imposto pelos Estados Unidos a Cuba.

Em declarações à Prensa Latina, o jornalista chileno Rafael Urrejola, diretor do Centro de Formação Memória e Futuro, atribuiu a este cerco mundialmente condenado a principal causa das atuais dificuldades da ilha, mas advertiu que ‘o Império não se importa com a opinião dos demais do mundo, nem com o direito internacional’.

Por sua vez, o advogado Carlos Margotta, presidente da Comissão Chilena de Direitos Humanos, destacou que este bloqueio constitui um crime de genocídio, da competência do Tribunal Penal Internacional, conforme estabelece o Estatuto de Roma, que – no entanto – Washington nunca subscreveu.

Se ele tivesse assinado esse tratado, os últimos presidentes dos Estados Unidos poderiam ter sido denunciados em tribunal, acrescentou à Prensa Latina.

Os Estados Unidos, disse Margotta, recusaram-se a assinar e ratificar os principais tratados internacionais de direitos humanos emanados da ONU, por medo, precisamente, de serem perseguidos por seus atos que configuram crimes.

Ao que é considerado o mais longo e abrangente sistema de disposições coercitivas da história, a administração republicana de Donald Trump acrescentou 243 medidas unilaterais (55 apenas em 2020), que o governo democrata de Joe Biden mantém intactas, apesar de suas promessas eleitorais.

O objetivo declarado de promover a instabilidade social e entregar o povo cubano pela fome, carências e necessidades, atinge todos os setores da economia, segundo um relatório oficial apresentado em junho por Cuba na Assembleia Geral da ONU.

Ignorar a sua existência seria não só mentira, mas também insultar um povo que não conheceu outro paradigma de desenvolvimento senão aquele marcado pelo mais sangrento bloqueio aplicado a qualquer país, sublinha o documento.

O relatório cobre o período de abril a dezembro de 2020, no auge da pandemia de Covid-19, o período considerado o mais vulnerável para Cuba.

Afirma que, a preços correntes, os prejuízos acumulados em quase seis décadas chegam a 147.853,3 milhões de dólares, mas que – devido à desvalorização do dólar face ao valor do ouro no mercado internacional – já causou prejuízos quantificáveis ​​há mais de 1.000.377.998.000 dólares.

Somente entre abril e dezembro de 2020, acrescenta o documento, causou prejuízos da ordem de 3.586,9 milhões de dólares, que totalizam 9.157,2 milhões de dólares se considerado o período de abril de 2019 a dezembro de 2020.

vc / jl / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.