3 de December de 2021

NOTICIAS

Vietnã e sua colheita diária de medalhas olímpicas

Vietnã e sua colheita diária de medalhas olímpicas

Hanói, 20 jul (Prensa Latina) No quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos de Verão, o Vietnã ocupa o 76ú lugar com apenas cinco medalhas, o que pode parecer um saldo muito ruim para uma nação com mais de 96 milhões de habitantes.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Mas a questão deve ser vista de uma perspectiva justa: por volta de 1896, quando o primeiro encontro de verão dos tempos modernos ocorreu na Grécia, o Vietnã era um país colonizado e nutria mais sonhos de independência do que esperanças olímpicas.

Antes do ouro, prata ou bronze, até 1975 os vietnamitas devotaram todas as suas energias à fundição de chumbo para travar suas guerras libertárias, primeiro contra a França e depois contra os Estados Unidos.

Ainda em 1976, oito décadas após as Olimpíadas de Atenas, o Vietnã não pôde ir a Montreal, no Canadá, porque ainda sangrava de muitas feridas. Tudo o que ele pôde fazer naquele ano foi criar o Comitê Olímpico Nacional e ainda esperar três anos até que o COI o reconhecesse.

Seu caminho agitado para o Olimpismo teve um primeiro grande marco em 1980, quando ele participou dos Jogos da XXII Olimpíada em Moscou. De medalhas, nenhuma.

Somente em 2000 (Sydney, Austrália), o Vietnã conquistou sua primeira medalha graças a lutadora de taekwondo Tran Hieu Ngan, prata na divisão de 75 quilos.

Quatro anos depois, nos XXVIII Jogos (Beijing, China), o Vietnã conquistou outra da mesma cor graças ao levantador de peso Hoang Anh Tuan.

Tiveram que passar duas nomeações para a próxima, mas desta vez foi grande: nos XXXI Jogos (Rio de Janeiro, Brasil), 120 anos após o primeiro na Grécia e 45 anos após a sua independência, o país finalmente conseguiu o seu primeiro Título olímpico graças ao atirador Hoang Xuan Vinh na pistola de ar a 10 metros.

O clamor não foi tão grande quanto o do Dia da Independência, mas as pessoas por aqui ainda cumprimentam o atleta com especial respeito e admiração, que também conquistou a medalha de prata na prova de pistola 50 metros no evento carioca.

Vinh continua ativo e é uma das grandes esperanças de seu país nos Jogos de Tóquio, mas muito antes, e com sorte para sempre, o Vietnã está trabalhando pelas medalhas que mais lhe interessam.

Porque independentemente da idade, sexo ou cidade, ao amanhecer e ao anoitecer todos os dias, milhões de vietnamitas vestem a roupa adequada e saem às ruas, praças e parques para praticar o esporte ou atividade física que mais lhe agrade.

O espetáculo é delicioso, até porque os praticantes não sonham com medalhas olímpicas, mas sim com a realização de uma atividade que durante séculos lhes foi proibida por circunstâncias históricas bem conhecidas.

E não se pode deixar de pensar que poucas cidades como esta seguem o lema olímpico de Citius, Altius, Fortius (mais rápido, mais alto, mais forte).

Talvez esta seja a colheita mais valiosa dos vietnamitas.

jha / asg / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.