30 de November de 2021

NOTICIAS

O que ninguém quer em Tóquio 2020

O que ninguém quer em Tóquio 2020

Tóquio, 17 jul (Prensa Latina) A expectativa gerada pela proximidade do início dos Jogos Olímpicos coexiste com um pesadelo capaz de estragar o sonho de quem está hoje em Tóquio: o medo de testes positivos para Covid-19.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os testes de PCR fazem parte da rotina diária e a vacinação não implica carta branca para violar as regras impostas pelos organizadores, que são enfáticos quando se trata de falar sobre as normas e protocolos de saúde incluídos em guias ilustrados para atletas e demais participantes.

O esquecimento da higiene, o distanciamento e o uso da máscara tornam-se um passo em falso que pode arruinar anos de formação, planos de trabalho ou cobertura jornalística, e isso gera uma ansiedade que os rostos – mesmo os cobertos – não conseguem esconder.

Sem dúvida, a pandemia aumenta os nervos: não é fácil supor que o menor erro possa ser – além da notícia – o gatilho para uma despedida sem volta de uma equipe, a causa do impasse de um determinado acontecimento, ou o início de um problema cuja solução não é alcançada em um estalar de dedos.

Por isso, o tempo de espera para os exames é uma provação, os minutos parecem horas e os formulários e as filas quase infinitas chegam em forma de déjà vu, enquanto o desejo principal é que a ‘bolha’ não arrebente.

Na verdade, segundo relatos da imprensa aqui conhecidos, um funcionário se tornou há poucas horas o primeiro morador da Vila Olímpica a testar positivo para Covid-19, o que, além disso, eleva para 44 infecções confirmadas em todo o país desde o dia primeiro de julho, quando falta uma semana para a cerimônia de abertura.

Localizada em frente à bela Baía de Tóquio, a Villa dificilmente oferece espaços para diálogos, e os atletas entram e saem apenas para treinar, com poucas pausas na caminhada, pois evitar multidões é uma das principais dicas.

Assim, o desafio assume contornos quixotescos e o pensamento de que ‘tudo vai ficar bem’ transforma esta aventura olímpica em uma jornada sui generis, mas ao mesmo tempo emocionante e atraente, desejada e histórica, em tempos estranhos para a humanidade, que observa o evento de verão como uma lacuna de esperança.

Mas a doença não consegue roubar totalmente os holofotes, pois o interesse em aprender sobre o estilo de vida dos anfitriões e a tentação -entre tantas outras- de experimentar a requintada arte culinária local, que será reverenciada ad nauseam, também cresce exponencialmente. pelos próximos dias.

Não há dúvida de que o mundo não é mais o mesmo desde o surgimento da Covid-19 e esses Jogos Olímpicos não se parecerão com os anteriores; No entanto, e apesar da gravidade das circunstâncias, o mais sensato é aproveitar cada momento e evitar o caos que ninguém quer em Tóquio 2020.

msm / jdg / hb/gdc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.