3 de July de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Magnicídio no Haiti, 10 dias depois

Magnicídio no Haiti, 10 dias depois

Porto Príncipe, 17 jul (Prensa Latina) Dez dias após o atentado mortal contra o presidente do Haiti, Jovenel Moïse, ainda hoje há pistas a serem esclarecidas sobre como ocorreu o crime, embora durante a semana a polícia tenha feito progresso da investigação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre os dados mais relevantes está a admissão de Washington de treinar e trabalhar com vários membros do comando armado que supostamente matou o presidente em sua residência na madrugada de 7 de julho.

A Administração do Controle de Drogas (DEA, por suas siglas em inglês) reconheceu que um dos detidos trabalhava como informante para a agência federal, enquanto o Pentágono confirmou que membros do grupo receberam treinamento dos militares dos EUA, quando ainda pertenciam ao exército regular da Colômbia.

Por sua vez, Joe Biden rejeitou o envio de tropas ao Haiti ‘por enquanto’ e garantiu que apenas fuzileiros navais foram enviados para proteger a embaixada do norte em Porto Príncipe.

Também no início da semana, a polícia anunciou a prisão do médico haitiano Enmanuel Sanon, suposto líder do assassinato, e a primeira pessoa contatada pelos ‘mercenários’ quando foram sitiados pelas autoridades.

Em sua casa foram encontrados vários computadores com as iniciais DEA inscritas, além de armas, munições, documentos da República Dominicana e cartas enviadas por Sanon a diversos setores do país, explicou o diretor da Polícia, León Charles.

O titular também explicou que o assassinato foi planejado em um hotel em Santo Domingo, República Dominicana, em uma reunião da qual participou Sanon e o opositor venezuelano Antonio Emmanuel Intriago, que dirige a empresa de segurança CTU Security, designada como recrutadora dos assassinos.

Estiveram presentes também o ex-senador John Joel Joseph, suposto tesoureiro da operação e coordenador dos encontros com os’ mercenários ‘, além do estadunidense nascido no Haiti, James Solages, e Walter Veintemilla, diretor da consultora Worldwide Capital Lending Group, acusado de financiar o assassinato, segundo autoridades.

O comando armado era composto por 26 colombianos e dois haitianos estadunidenses que se declararam tradutores.

Dezoito colombianos foram presos, três morreram em confrontos com a polícia e cinco permanecem foragidos, de acordo com o balanço mais recente de agências de aplicação da lei.

A Polícia emitiu mandados de busca contra o ex-senador Joseph, o ex-empresário Rodosplhe Jaar e o ex-funcionário do Ministério da Justiça, Joseph Felix Badio, que, segundo as últimas investigações, deu a ordem para a execução do assassinato.

Enquanto isso, a promotoria proibiu 16 pessoas de deixar o país, incluindo os quatro principais funcionários da segurança presidencial, que foram convocados para testemunhar perante o Ministério Público, mas não compareceram.

O diretor da polícia garantiu que os agentes estão isolados e que foram aplicadas 24 medidas cautelares contra os policiais encarregados de garantir a segurança do chefe de Estado.

Moïse recebeu 12 disparos que atingiram a região do abdômen, quadris, olhos, cabeça e não sobreviveu, enquanto a primeira-dama Martine Ethiene foi alvo de vários projéteis.

Segundo o ministro delegado, Mathias Pierre, o governante foi torturado e em sua autópsia foram encontrados vários ossos fraturados, enquanto imagens que circulam nas redes sociais mostram cortes em seus braços e marcas em seus ombros.

Na véspera, milhares de apoiadores desfilaram nas ruas de Trou du Nord, sua cidade natal, e em Port de Paix, de onde Martine é originária.

Vestidos de branco, com flores e cartazes, exigiram justiça e apontaram que o presidente foi assassinado por suas ideias de desenvolvimento.

Os funerais nacionais serão realizados na próxima sexta-feira no Cabo Haitiano, a segunda maior cidade do país.

msm / ane / hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.