28 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Governo no Líbano depende da agenda externa

Governo no Líbano depende da agenda externa

Beirute, 10 jul (Prensa Latina) A percepção popular no Líbano e os analistas confirmaram mais uma vez que a formação de um governo neste país às margens do Mar Mediterrâneo depende de agendas externas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Uma reunião entre as embaixadoras dos Estados Unidos, Dorothy Shea, e da França, Anne Grillo, com representantes da Arábia Saudita, no território desta última, observou o que talvez fosse um segredo aberto.

Todas as partes concordaram com a necessidade de instalar imediatamente um executivo libanês capaz de enfrentar a pior crise econômica e financeira das últimas décadas.

Entretanto, há condições que o trio impõe a Beirute.

O reino do deserto, outrora um forte aliado dos libaneses, está agora colocando em primeiro lugar o que chama de influência crescente do Hezbollah.

Washington qualifica esta organização libanesa como uma organização terrorista, enquanto Paris aceita esta definição apenas para as operações militares do Partido de Deus, que faz parte do Parlamento e do gabinete.

‘Se o Irã, a Arábia Saudita, a França e os Estados Unidos acordarem uma solução entre si, isso abrirá o caminho para nossos problemas’, disse Ahmed Kerbala, proprietário de uma loja de roupas agora fechada por causa da crise, à Prensa Latina.

Tal é o sentimento de uma vasta maioria que vê líderes sectários em contradições insuperáveis na busca de consenso para nomear uma linha de governo.

O Líbano não tem um governo efetivo desde 10 de agosto de 2020, após a renúncia do agora Primeiro Ministro interino Hassan Diab, esmagado pela pandemia de Covid-19 e pela explosão do porto de capital em 4 de agosto de 2020.

Com a política paralisada e a economia esmagada por uma dívida de mais de 90 bilhões de dólares, equivalente a mais de 170 por cento do produto interno bruto, o colapso total se aproxima a cada dia.

A moeda nacional depreciou-se mais de 100% em relação ao dólar e os preços dos bens básicos estão subindo para níveis que afundarão mais de 70% da população abaixo da linha de pobreza extrema, de acordo com o Banco Mundial.

Não se perde na percepção popular de que a elite política dominante se preocupa apenas em como manter privilégios e prerrogativas, de que desfruta há décadas.

O sistema de divisão de poder entre cristãos e muçulmanos tem fomentado métodos de patrocínio político, má governança e corrupção, dizem os observadores.

Os indicados para o próximo gabinete, o Presidente Michel Aoun e o primeiro designado Saad Hariri, permanecem em desacordo sobre a nomeação de figuras para chefiar os ministérios das finanças, defesa, interior e relações exteriores.

É claro que nenhum dos líderes sectários permitiria que sua roupa suja fosse exposta nas ruas se reformas fossem implementadas para acabar com o flagelo da corrupção, da qual muitas fortunas surgiram.

O Líbano, uma vez apelidado de Suíça do Oriente Médio por sua flexibilidade bancária, não encontrou uma maneira adequada de se reconstruir desde o conflito de 1975-1990. Esses planos só beneficiaram uma elite que, através de manobras financeiras sombrias, se agarrou ao poder e criou terreno fértil para a corrupção, a venalidade e o patrocínio político.

E de certa forma, também ajudou a alimentar as rivalidades regionais entre os muçulmanos sunitas do Golfo, o Irã xiita e outros países ocidentais, incluindo os Estados Unidos e a França, a antiga metrópole.

msm/arc/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.