6 de December de 2021

NOTICIAS

Cuba e os Estados Unidos em ambas margens da migração

Cuba e os Estados Unidos em ambas margens da migração

Havana, 9 jul (Prensa Latina) Os Estados Unidos continuam hoje como destino dos imigrantes irregulares de Cuba, com base em uma política de corte de rotas formais, acompanhada de campanhas midiática e incentivos para que se coloque a vida em risco.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Sobre o assunto trataram ontem as autoridades do país caribenho no programa de rádio e televisão Mesa Redonda, no qual explicaram que Washington, ao mesmo tempo que não cumpre com seus compromissos sobre o assunto, historicamente aprovou disposições para incentivar as saídas ilegais de terras insulares.

Segundo Ernesto Soberón, diretor-geral da chancelaria para Assuntos Consulares e Atenção aos Cubanos Residentes no Exterior, a política de imigração dos Estados Unidos tem sido um instrumento da hostilidade de Washington a Havana.

Seu objetivo é desestabilizar o país, desacreditar o governo antilhano e roubar seus recursos técnicos e profissionais, disse o responsável.

Ele garantiu que o principal responsável pelo fluxo de viajantes irregulares da ilha para o norte é a própria administração dos Estados Unidos com a aplicação de sua política migratória.

Nesse sentido, ele mencionou como, desde a segunda metade do século XX, os Estados Unidos implementam leis como a do Ajuste Cubano e outras regulamentações com supostos privilégios para os nascidos no arquipélago para encorajar deslocamentos com risco de vida.

Soberón reconheceu que, embora esses benefícios tenham diminuído nos últimos anos, persiste a percepção de que se você chega à América do Norte, tem o direito de ficar lá.

Portanto, é de se estranhar que, segundo o coronel Mario Méndez, do Ministério do Interior, a grande maioria dos imigrantes ilegais devolvidos a Cuba este ano (574) venham do solo do Norte.

A par das campanhas veiculadas nos meios de comunicação para manchar a imagem da ilha, o contexto é reforçado pelo encerramento dos serviços consulares nesta capital, medida tomada com intuito político, considerou Soberón, assim como pelas restrições à possibilidade de deslocamento.

As perspectivas também se complicam pela obrigação de ir a outros países para obter o visto, com despesas mais elevadas para os cidadãos e sem garantias de aprovação, e pelo descumprimento dos acordos de imigração, acrescentou a autoridade.

A esse respeito, o diplomata mencionou que, mesmo quando Washington concordou em conceder pelo menos 20 mil vistos por ano, nos últimos anos deixou de entregar entre 60 mil e 80 mil.

O responsável explicou que há uma impossibilidade de fluxos irregulares passarem por outros países sem a participação de traficantes ou gangues dedicadas a esse negócio, e que sair a partir da Guiana, Panamá ou Colômbia até os Estados Unidos, implica tornar-se vítimas desses grupos criminosos, observou. Diante deste cenário, o apelo de Cuba ao Governo norte-americano é que cumpra seus compromissos e garanta uma movimentação ordenada, regular e segura de pessoas entre as nações das duas margens do Estreito da Flórida.

oda / cgc / cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.