16 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

A Casa do escritor colombiano Gabriel García Márquez em Cuba

A Casa do escritor colombiano Gabriel García Márquez em Cuba

Havana, 4 de jul (Prensa Latina) Desde a década de 1960, o escritor colombiano Gabriel García Márquez mantém vínculos literários e acadêmicos com instituições culturais de Cuba, incluindo a Casa de las Américas, inaugurada em um dia como hoje em 1959.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em 1964, Gabo já era um jovem intelectual reconhecido entre seus contemporâneos e valorizava alguns livros publicados como La Hojarasca (1955), El coronel no tiene quien le escriba (1961) e La mala hora (1964).

Naquela época, o crítico uruguaio Ángel Rama publicou na revista Casa de las Américas vários artigos sobre literatura colombiana e, na correspondência dessa entidade sediada em havana, e Gabo, inclui uma carta de 14 de abril, na qual convida sua então presidente e fundadora Haydee Santamaría para colaborar nesta publicação.

O número da revista, dedicada ao romance latino-americano e correspondente a outubro-novembro de 1964, incluiria outros escritores renomados da área como o cubano Alejo Carpentier, o argentino Julio Cortázar e o uruguaio Juan Carlos Onetti, cujo romance El astillero publicou a House em sua coleção de clássicos de 1968.

Algum tempo depois, a instituição da nação caribenha pediu a García Márquez um livro para o nascente Compêndio de Literatura Latino-americana, que já reunia volumes do peruano José Carlos Mariátegui, do uruguaio Horacio Quiroga e dos citados intelectuais Onetti e Cortázar.

‘A Biblioteca da Casa das Américas de Havana também fundou o programa Café Conversatorio, uma espécie de café literário e de interação com o público. A primeira convocação do espaço tratou do texto La mala hora’, disse a diretora do Centro para Jorge Fornet, em entrevista exclusiva à Prensa Latina.

Em 17 de julho de 1964, é convidado a formar o júri do Prêmio Literário, proposta que se estende aos anos seguintes, sem se concretizar. A segunda edição de Cem Anos de Solidão no mundo, após sua publicação pela Editorial Sudamericana de Buenos Aires, na Argentina, foi a de Cuba em 1968.

Na correspondência entre o diretor editorial e Gabriel García Márquez, ela conta a tiragem de 20 mil exemplares do romance – catalogada como obra-prima da literatura universal e uma das mais lidas em espanhol – para sua ampla distribuição no país, em resposta a qual o intelectual de Aracataca afirmou:

‘(…) como um velho e convicto servidor da Revolução Cubana, estou feliz que meu romance tenha sido digno deste assalto por mão desarmada e que graças a isso possa ser lido por meus muitos ‘conhecidos e desconhecidos’ ‘Amigos cubanos’

O doutor em Literatura Hispânica e pesquisador sênior lembrou que o número 48 da revista, correspondente aos meses de maio-junho de 1968, publicou exclusivamente seu conto ‘Um homem muito velho com asas enormes’ e, dois anos depois, em uma carta a Haydee Santamaría expressou seu desejo de retornar a Cuba.

‘(…) Não quero fazê-lo às pressas, nem por ocasião de um grande acontecimento, nem como um dos escritores mais lidos da Ilha, mas sim como um verdadeiro amigo que quer formar um verdadeiro, ideia profunda e serena do processo revolucionário (…) Essa viagem não será muito importante apenas para mim, mas para muitas pessoas na América e na Europa que vivem se perguntando sobre Cuba’, disse.

Segundo Fornet, no início dos anos 1970, alguns representantes da intelectualidade ocidental deixaram o país; mas não foi esse o caso de Gabriel García Márquez, que percorreu a maior das Antilhas em 1975 e escreveu três crônicas publicadas na Colômbia sob o título de Cuba, de cabo a rabo.

O também diretor da revista Casa de las Américas afirmou que Gabo tinha pouca relação com os escritores da ilha, embora sua admiração por Alejo Carpentier seja inegável. Em uma ocasião, ele confessou que O século das luzes era um romance que ele gostaria de escrever.

‘Chega a prestar uma homenagem velada à obra e ao seu autor em Cem Anos de Solidão. Segundo o ensaísta espanhol Federico Álvarez, García Márquez assegurou-lhe que ao ler aquela obra tinha 200 páginas de Cem Anos. Ele rasgou e começou a concepção do livro novamente, Fornet concluiu. mem / dgh / fav

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.