6 de December de 2021

NOTICIAS

Ouro azul salvadorenho

Ouro azul salvadorenho

San Salvador, 3 jul (Prensa Latina) No selvagem litoral salvadorenho, surfistas de cinquenta países descobriram uma das riquezas mais representativas do patrimônio de Cusco: o anil, aquela emblemática cor azul clara, colorida, inteiramente orgânica e parte integrante da cultura local.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Até mesmo nas praias de Tunco e Sunzal surgia o chamado ‘ouro azul’, fonte de renda para a população de importantes destinos turísticos como Suchitoto, principalmente para mulheres que se dedicam ao cultivo da anileira (do Nahuatl, ‘erva azul’) .

Fernández de Oviedo, o primeiro naturalista do Novo Mundo, fez referência aos corantes anil dos aborígenes locais em 1526 e, em meados do século 16, El Salvador já produzia 91% do anil processado na América Central.

Os indígenas tinham suas técnicas de extração, mas os espanhóis introduziram o sistema de obraje, que reduzia o risco de adoecimento e morte por imersão no caldo de anileira fermentado, do qual a redução resulta no corante.

Este produto foi, ao lado do café, o líder nas exportações salvadorenhas no século 19, mas o aparecimento dos corantes industriais ocasionou o declínio dessa produção, arruinou as fábricas de beneficiamento e minou a tradição.

Os piratas atacaram os carregamentos de anil e as pragas que assolaram as fazendas Chalatenango e Cabañas, um compêndio de males que levou ao colapso da indústria em 1945 e ameaçou extinguir essa prática.

Mas espaços foram criados para reverter essa situação, tornando a anileira um emblema nacional e transformando os locais onde é produzido em destinos de interesse turístico, como a fazenda Los Nacimientos em Suchitoto.

Quase com a assinatura dos Acordos de Paz, em 1992, um programa começou a retomar sua produção em locais onde restaram vestígios de obrajes, coletando depoimentos dos poucos mestres destacados que ainda lembravam dos segredos para extrair a tinta.

A crescente procura de corantes orgânicos fez ressurgir a exportação de um produto que identifica e orgulha uma nação culturalmente policromada, que já não quer ser tingida com sangue, mas com anil.

(Retirado do Orb)

/ hb

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.