30 de November de 2021

NOTICIAS

Crianças são as mais afetadas pela crise no Líbano

Crianças são as mais afetadas pela crise no Líbano

Beirute, 2 jul (Prensa Latina) As crianças no Líbano são as mais afetadas pela pior crise econômica e financeira das últimas décadas, concluiu uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), divulgada hoje aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Uma recessão devastadora, de acordo com o texto enviado pelo órgão da ONU, mergulhou famílias em uma situação desesperadora, quase sem recursos ou serviços sociais.

‘Sem melhorias à vista, mais crianças que nunca irão dormir sem comer’, disse o representante da UNICEF no Líbano, Yukie Mokuo.

A saúde, a educação e o futuro das crianças sofrem ainda mais deterioração à medida que os preços dos produtos básicos aumentam e o desemprego também, disse ele.

Mais famílias passam para o nível de sobrevivência negativa, acrescentou ele, como enviar seus filhos para trabalhar em condições muitas vezes perigosas, casar suas filhas pequenas ou vender seus pertences.

De acordo com os resultados da consulta do órgão da ONU, em maio mais de 30% das crianças libanesas foram para a cama com fome e pularam refeições.

Além disso, 77% das famílias neste país não têm dinheiro para comprar comida suficiente, enquanto, entre os refugiados sírios, o número chega a 99 pontos percentuais.

Os entrevistados confirmaram que 30 em cada 100 crianças não recebem nenhum atendimento médico, uma em cada 10 começou a trabalhar e 15 em cada 100 famílias não têm assistência social.

A depressão econômica é apenas uma das crises agravantes no Líbano, acompanhada pela pandemia Covid-19 e as consequências da explosão do porto em agosto de 2020.

ode / arc / cm

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.