5 de December de 2021

NOTICIAS

Procuram fazer face ao fenómeno do trabalho infantil em Angola

Procuram fazer face ao fenómeno do trabalho infantil em Angola

Luanda, 29 Jun (Prensa Latina) O governo angolano está a promover um conjunto de medidas institucionais com o objectivo de erradicar as piores formas de trabalho infantil, cujas dimensões tendem a aumentar devido à crise económica, foi hoje revelado.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Sob a liderança da Ministra de Estado da Área Social, Carolina Cerqueira, uma comissão do Conselho de Ministros avaliou o plano de acção nacional e respectivo orçamento até 2025, noticia terça-feira o Jornal de Angola.

Segundo a fonte, o documento contém medidas efetivas, imediatas e integradas, com vista a facilitar o trabalho dos diferentes órgãos para a garantia do exercício prático dos direitos dos menores.

O fórum também considerou a proposta de criação de uma Comissão Multissetorial de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, que será responsável pela implementação e controle das decisões estaduais nesta área.

De acordo com o presidente João Lourenço, o país mostra avanços significativos na estratégia de proteção à infância, mas ainda há muito a ser feito em termos de empoderamento das famílias.

A fuga da paternidade e da gravidez precoce, a violência doméstica, as agressões sexuais, as práticas obscurantistas, a exploração do trabalho infantil e outras situações negativas estão na origem de muitos dos problemas, reconheceu o político no dia 1ú de junho.

De acordo com a agência noticiosa angolana (Angop), a seca na região sul agravou a fome nas províncias do Namibe, Huíla e Cunene, o que favoreceu a desintegração das famílias e o rápido aumento do trabalho infantil.

No Namibe, refere o relatório, este fenómeno está a crescer de forma alarmante e envolve crianças entre os seis e os 14 anos, que abandonam as suas casas em busca de sobrevivência.

Muitos preferem trabalhar em fazendas, pastar animais ou arar campos agrícolas, mas a maioria carece de equipamentos de proteção adequados, como trajes, botas e luvas, acrescentou a nota.

O mais difícil é o pastoreio: nos obriga a percorrer grandes distâncias em busca de pasto e água para os animais e a controlar bem o gado para que não se perca, porque ‘senão somos castigados pelos donos’, disseram três. menores, Século Mbuta, João Canivete e Tomás Mwakopotola, entrevistados pela Angop.

Porém, a maioria das crianças e adolescentes respondeu que é melhor trabalhar do que ficar na rua mendigando, muitas vezes sem conseguir nada para comer.

jha / mjm / glmv

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.