9 de December de 2021

NOTICIAS

Elián González, o menino que comoveu a história de Cuba

Elián González, o menino que comoveu a história de Cuba

Havana, 28 jun (Prensa Latina) Quando o menino Elián González voltou a Cuba, há 21 anos, sua imagem já viajava pelo mundo, as relações com os Estados Unidos continuavam tensas e a ilha entrava em um novo programa de transformação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O menino de seis anos estava voltando para sua terra natal depois de perder sua mãe em um naufrágio, ser sequestrado no estado da Flórida, nos Estados Unidos, e depois de sete meses de disputas jurídicas e políticas entre nações a 90 milhas uma da outra.

Elián González nasceu no município de Cárdenas, na província ocidental de Matanzas, em 6 de dezembro de 1993.

Quando faltavam poucos dias para comemorar um novo aniversário, em 22 de novembro de 1999, junto com sua mãe, Elizabeth Brotons, e outras 12 pessoas, ele embarcou em um barco rústico para deixar o país ilegalmente e zarpar para os Estados Unidos, sob a promessa de residência permanente da Lei de Ajustamento de Cuba.

O barco virou no meio do oceano e quase toda a tripulação (11) morreu, incluindo Brotons. ‘Adormeci; quando abri os olhos novamente, não vi ninguém, não vi minha mãe’, o menino contaria mais tarde.

Ela também contava como ela, ‘sem saber nadar, decidiu salvar minha vida: ela sabia segurar a jangada (uma câmara de pneu), me cobrir com uma manta e me deixar aquela garrafa d’água’.

Em 25 de novembro, alguns pescadores encontraram Elián desmaiado naquele tipo de carro alegórico, na costa da Flórida, e o Serviço de Imigração e Naturalização dos Estados Unidos (INS) o colocou sob custódia de Lázaro González, um tio-avô residente na cidade de Miami e quem só o tinha visto uma vez.

O pai da criança, Juan Miguel González, só soube da partida tarde demais, mas em 27 de novembro já havia enviado uma carta ao Ministério das Relações Exteriores de Cuba para processar o retorno de Elián às autoridades do norte, mensagem também ouvida pelo Conselho de Estado.

Em 2 de dezembro de 1999 González foi recebido pelo líder histórico da Revolução, Fidel Castro, que ficou sabendo de sua vida, de sua relação com a criança, e até lhe disse que se quisesse ir aos Estados Unidos para ficar com seu filho e ficar, não teve problema.

‘Disse-lhe que não tinha interesse em ir para lá, o que queria era que me devolvessem Elián. E ele respondeu:’ Não se preocupe. A partir de amanhã o povo, todo o país se voltarão para fazer a reclamação ‘, destaca o texto intitulado Juan Miguel González: Fidel teve como filho Elián, do jornalista Enrique Ojito.

Fidel Castro sabia que em mais de 40 anos Washington nunca concedeu a um pedido legal desta natureza, de forma que o regresso só poderia ‘ser conseguido através de uma intensa batalha política e de opinião pública nacional e internacional’, sublinhou o estadista.

E assim aconteceu. No dia 5 de dezembro, em frente ao Escritório de Interesses de Washington desta capital, centenas de jovens protestaram contra a retenção da criança, um prelúdio para o que mais tarde seriam marchas de massa e arquibancadas em diferentes cidades do país.

O evento também daria início à chamada Batalha de Ideias, iniciativa de Fidel Castro que desenvolveu mais de 170 programas nas esferas social e econômica cubana.

Como parte desse processo, surgiu o espaço radiotelevisivo Mesa Redonda, cuja primeira transmissão, em 16 de dezembro de 1999 e intitulada Em que horas pode mudar a mente de uma criança, colocou psicólogos, psiquiatras e pedagogos em um diálogo sobre a situação de Elián e o quanto ele foi manipulado por aqueles que negaram seu retorno.

Em 5 de janeiro de 2000, o INS reconheceu o direito de Juan Miguel González ao poder paternal sobre seu filho, decisão apoiada pela Procuradora Geral Janet Reno.

A devolução foi marcada para antes do dia 14 daquele mês, mas parentes e grupos anticubanos em Miami apelaram e levaram o caso aos tribunais norte-americanos. Elián ainda foi sequestrado.

Na época, a mídia americana o mostrava rodeado de brinquedos, disfarçado de personagens, com roupas e sapatos novos, um pônei; A deputada Ileana Ros-Lehtinen embrulhou o menino na bandeira de 50 estrelas e ele apareceu diante de uma câmera com uma frase em inglês decorada, dizendo que não queria voltar a Cuba.

Juan Miguel González viajou com sua esposa Nersy Carmenate e seu outro filho a Washington no dia 6 de abril para a batalha judicial por Elián, mas demorou mais 16 dias para se encontrar com o menino, após uma operação federal que o resgatou dos sequestradores.

Ele também expressou sua confiança na medicina da nação caribenha: ‘Acabo de ter dois derrames e olhe para mim aqui graças aos profissionais cubanos que até me trataram através do WhatsApp, mas não me abandonaram em nenhum momento’.

Subiaurt declarou que sua arte é também uma homenagem ao pessoal de saúde, imerso em uma luta sem limites e exposto ao contágio: ‘pudemos ver como as pessoas se animam por um tempo e isso é importante para fazer desta campanha um espaço de esperança e confiança’, concluiu.

jf/dgh/bj

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.