7 de December de 2021

NOTICIAS

América Latina aumenta a pobreza no mercado de trabalho

América Latina aumenta a pobreza no mercado de trabalho

Havana, 27 Jun (Prensa Latina) Na América Latina e no Caribe, pelo menos 140 milhões de pessoas trabalham em condições informais, cifra que hoje representa cerca de 50% dos trabalhadores, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Essa situação faz com que cinco em cada dez trabalhadores sejam informais, o que é muito significativo no comércio varejista, ou seja, no comércio ambulante, como ocorre com mais da metade do total de pessoas ocupadas em pelo menos nove países latino-americanos. .

Por exemplo, no Peru, estima-se que 68,4% dos trabalhadores em 2019 estavam empregados no setor informal; na Argentina, esse percentual subiu para 49,4; enquanto no Uruguai e no Chile, cerca de um quarto exerce atividades remuneradas no mercado de trabalho informal.

Com a pandemia do Covid-19, muitas fragilidades foram exacerbadas, defeitos que as economias de todo o mundo apresentam em nível estrutural, principalmente na América Latina, incluindo a informalidade, o trabalho precário, a desigualdade e, sobretudo, a ausência de programas de proteção.

Segundo o secretário permanente do Sistema Econômico Latino-Americano e Caribenho (SELA), o peruano Javier Paulinich, embora a informalidade seja uma alternativa ao desemprego, um de seus impactos na economia é que os países apresentam baixa produtividade, além da falta de proteção às pessoas que a exercem sem acesso a benefícios trabalhistas ou sociais.

A OIT alertou que 28 milhões de latino-americanos estão em situação de pobreza trabalhista em decorrência da pandemia, que deixará uma taxa de desemprego de 11,1% na região este ano.

Ele também estimou que, embora se espere uma recuperação nas taxas de emprego, ela não atingirá os níveis de perdas registrados como resultado da pandemia do Covid-19, uma doença gerada pelo vírus SARS-Cov-2.

‘Haverá uma regeneração de empregos, mas aos poucos e com o risco de maiores desigualdades do que no início da pandemia, por isso é necessária uma estratégia global que coloque as pessoas no centro das políticas públicas’, disse.

Quanto ao futuro, a OIT considera imprescindível pensar em estratégias que permitam lançar as bases para um retorno com melhores condições de trabalho para todos os trabalhadores.

Trata-se de apoiar a recuperação do emprego nas categorias e setores mais afetados, melhorando os aspetos institucionais relacionados com a saúde e segurança no trabalho, a formalização dos trabalhadores e a promoção da inclusão laboral de mulheres e jovens.

Embora no primeiro semestre de 2021 a região tenha visto uma recuperação sólida, com uma redução no percentual de horas de trabalho perdidas de 30 para 11 por cento, a América Latina continua a ser a região mais afetada do mundo hoje.

Para o diretor regional da OIT, Vinícius Pinheiro, é prioritário aplicar medidas extraordinárias de reconstrução dos mercados de trabalho da região, fortemente impactada pelo Covid-19.

‘O emprego deve estar no centro da recuperação econômica’, disse Pinheiro, que acredita que a falta de trabalho nos processos de recuperação pode levar a um aumento do descontentamento social e afetar a estabilidade política latino-americana.

Durante este ano, 34 milhões de pessoas procurarão emprego sem encontrar.

Em 2022 esse valor será menor de acordo com as previsões, embora haja um alto grau de incerteza que não deixa nada claro sobre qual será a realidade.

jcm/crc/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.