5 de December de 2021

NOTICIAS

Manifestantes tailandeses nas ruas

Manifestantes tailandeses nas ruas

Bangkok, 24 Jun (Prensa Latina) Centenas de tailandeses saíram às ruas aqui hoje, em um novo protesto contra o governo apesar das restrições decretadas para evitar o contágio pelo Covid-19.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os manifestantes, que interromperam suas manifestações semanas atrás devido ao impacto do coronavírus, pedem a renúncia do primeiro-ministro da Tailândia, Prayuth Chan Ocha.

De acordo com o The Bangkok Post, a marcha de quinta-feira comemora o 89ú aniversário da Revolução Siamesa, o levante que transformou a monarquia absoluta na Tailândia em uma monarquia constitucional.

Os transeuntes carregavam bandeiras vermelhas e brancas, bem como réplicas de uma placa icônica comemorativa da Revolução de 1932.

Depois de chocar o país asiático com inúmeras manifestações desde o segundo semestre de 2020, o movimento pró-democracia perdeu força após a repercussão nos casos do coronavírus e a prisão de líderes estudantis.

Os ativistas desta vez exigiram mais duas reivindicações: reforma constitucional e a remoção de 250 militares nomeados no Parlamento.

A polícia tailandesa alertou os manifestantes para não se reunirem por motivos de saúde, mas permitiu que a marcha continuasse em direção ao Parlamento, onde os legisladores devem votar em várias emendas à Constituição.

Além de Bangkok, os protestos também estão planejados da cidade turística de Chiang Mai, no norte, até a província de Nakhon Si Thammarat, no sul.

Na terça-feira, o Parlamento da Tailândia abriu um processo para revisar a Constituição, uma das principais demandas do movimento de protesto liderado por jovens.

Os manifestantes alegam que a Constituição, elaborada sob um regime militar, foi fundamental para ajudar o primeiro-ministro Prayut Chan-o-cha e seus apoiadores a reter o poder após as eleições de 2019.

Analistas locais acreditam que, embora o processo de plebiscito e revisão da Carta tenha sido aprovado, o Parlamento provavelmente não buscará mudanças mais significativas no curto prazo.

Dezenas de ativistas pró-democracia enfrentam acusações, incluindo sedição e insulto à monarquia, que pode levar a penas de até 15 anos de prisão.

mem/lp/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.