17 de January de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

A Polônia e a questão energética da União Européia

A Polônia e a questão energética da União Européia

Varsóvia, 9 de jun (Prensa Latina) Em meio às diferenças entre a União Europeia e os Estados Unidos com a Rússia, a Polônia aparece hoje com seu projeto de gasoduto Báltico como uma guia complicada no quadro regional de energia.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A ideia surgiu em 2019, no calor das sanções impostas pelo então presidente Donald Trump contra as construtoras do gasoduto russo Nord Stream-2, para eliminar a dependência energética do gigante eurasiático.

De acordo com o diário digital Euroasia Daily, Varsóvia concordou com a Dinamarca para construir um gasoduto de 274 quilômetros para ligar os fluxos de gás dos campos daquele país escandinavo e da vizinha Noruega.

O plano é juntar o gás da Dinamarca e da Noruega em uma única linha, de modo que o gasoduto passe pelo fundo do Mar Báltico até a costa polonesa, até o final de 2022.

Com isto, a Polónia passaria a ter entre 10 e 20 mil milhões de metros cúbicos de gás anuais, o que se somaria aos cerca de cinco mil milhões de metros cúbicos que este país produz por conta própria no referido período, o que completaria a procura nacional.

O Tubo do Báltico seria o substituto de um acordo firmado com a gigante russa Gazprom até 2037, quando a Plataforma Civil esteve no poder, entre 2007 e 2015, mas que teve de ser prorrogado em 2022. O atual executivo rejeita essa opção.

Com o governo do presidente Andrezj Duda e o partido nacionalista Lei e Justiça no poder, o confronto com a Rússia se intensificou e a decisão de buscar a independência energética ganhou força.

Isso inclui a construção de uma nova planta de descompressão de gás em Everdrup, principalmente para xisto dos EUA, na qual a estação de Svinowtska já está funcionando.

No entanto, analistas citados pelo diário digital Regnum, consideram que, ao nível mais baixo do seu preço, o gás de xisto comprimido comprado dos Estados Unidos estaria entre 213 e 266 dólares o metro cúbico.

O gás natural enviado pelo gasoduto da Rússia à Polônia ficaria entre 125 e 145 dólares por metro cúbico, de modo que os argumentos de maior eficiência econômica por meio desse esquema estão praticamente descartados.

No entanto, a construção do tronco terrestre do gasoduto Báltico Pipe está em risco, na sequência da decisão do Conselho Dinamarquês para a Proteção do Ambiente e Segurança Alimentar de suspender as obras de energia.

Alguns políticos poloneses chegaram a especular que, por trás da decisão de priorizar a proteção de enormes florestas e dos morcegos que ali vivem, ocultam-se outros objetivos políticos e até geoestratégicos subjacentes das potências.

Este país apelou aos Estados europeus para apoiarem a conclusão do Báltico Pipe, que, disse ele, visa proteger interesses não só seus e da Ucrânia, mas também de toda a Europa Central.

Varsóvia não esconde de forma alguma sua intenção de se tornar um Hab para a distribuição de hidrocarbonetos na região, embora existam outros esquemas paralelos que já existem há décadas para o fornecimento de gás.

Isso ocorre quando o governo do presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, parecia reconhecer algo que era evidente, ou seja, a inevitabilidade da conclusão do Nord Stream-2, dispensando sanções para evitá-lo.

Ao lado da Lituânia, Estônia e Letônia, a Polônia é um dos países europeus que mais defendeu que os Estados Unidos mantivessem a pressão para obstruir a conclusão do gasoduto russo.

No momento, a decisão da agência dinamarquesa pode atrasar a conclusão do gasoduto do Báltico por pelo menos oito meses, já que a autoridade ambiental do estado escandinavo terá que elaborar outro relatório ambiental sobre o gasoduto.

A tentativa de Varsóvia de alcançar maior independência econômica está agora inserida no complicado esquema de energia europeu, onde o chip polonês parece estar longe de ser o elemento crucial nos movimentos das grandes potências na área.

mem/to/jcfl

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.