11 de August de 2022
nombre generico prensa latina

notícia

nombre generico prensa latina
Bandera portugal
Edição Portuguesa

NOTICIAS

Os Estados Unidos e as contas a serem quitadas com a população negra

Os Estados Unidos e as contas a serem quitadas com a população negra

Washington, 24 mai (Prensa Latina) Os Estados Unidos afirmam ser um defensor dos direitos humanos enquanto persiste a desigualdade institucionalizada e a violência policial contra os negros estadunidenses, disse o cientista político M. Reza Behnam em um artigo no original.antiwar.com.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A abordagem do problema vem nos dias que antecedem o 25 de maio, o primeiro aniversário da morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos que foi sufocado até a morte pelo joelho por um policial branco em Minneapolis.

‘Este dia de brutalidade abriu os olhos do mundo para a situação dos afro-americanos’, segundo o site do George Floyd Memorial Center, algo que Behnam recria em seu artigo ‘Raça e violência na América e em Israel’.

A morte de Floyd nas mãos de Derek Chauvin, um veterano de 17 anos do Departamento de Polícia de Minneapolis que se ajoelhou no pescoço da vítima por mais de nove minutos até que o afro-americano entrou em colapso e morreu, reacendeu protestos no país sobre a discriminação racial.

Um vídeo do evento gravado por uma jovem de 17 anos que testemunhou a tragédia desencadeou mobilizações contra a injustiça racial e a brutalidade policial em todo o mundo, e nos Estados Unidos, brancos e negros se manifestaram nos maiores protestos desde o movimento de direitos civis dos anos 60.

Neste aniversário, o Presidente Joe Biden receberá os parentes de Floyd na Casa Branca, onde se espera que ele cumpra seu compromisso de desmantelar o ‘racismo estrutural’, um fenômeno já existente e reconhecido por Kamala Harris, a primeira vice-presidente da mulher negra na chapa vencedora em novembro de 2020.

No entanto, Biden enfrenta forte oposição dos republicanos no Congresso para aprovar um projeto de lei chamado George Floyd, que conteria a violência policial contra os negros.

Agora, os americanos estão esperando o dia 25 de junho para ouvir o veredicto final contra Chauvin, que foi condenado a 20 de abril na morte de Floyd.

Enquanto se aguarda o desenlace, não faltam análises sobre o racismo na sociedade estadunidense.

Por exemplo, Behnam, um cientista político especializado na análise da política dos EUA, aponta que o racismo foi introduzido no país quando as colônias americanas foram criadas ‘somente para os cristãos brancos’.

Ele argumentou que nos EUA, o objetivo era ‘lucrar com o trabalho livre dos afro-americanos enquanto dominavam todos os aspectos de suas vidas. Os estereótipos e caricaturas racistas foram inventados para tornar os afro-americanos invisíveis e privá-los de sua história, identidade e humanidade’.

A 14ª Emenda à Constituição estabelece que todas as pessoas devem gozar do devido processo e da proteção igualitária das leis. No entanto, dezenas de milhares de afro-americanos foram encarcerados e desqualificados – como uma espécie de ‘cidadãos de segunda classe’ – porque lhes foi negado este direito, disse ele.

Em um relatório divulgado em 27 de abril de 2021, a Comissão Internacional de Inquérito sobre Violência Policial Sistemática Racista contra Pessoas de Ascendência Africana nos Estados Unidos concluiu que a matança sistemática de negros pela polícia constitui um ‘caso prima facie de crimes contra a humanidade’.

O verdadeiro problema, avaliou ele, é o racismo estrutural que está enraizado no sistema policial e judicial dos Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, o tratamento desigual com base na raça persiste em todos os níveis do sistema de justiça criminal, desde delitos até execuções, dizem os analistas.

De acordo com um relatório de 2020 do Centro Brennan para a Justiça, 35% dos afro-americanos foram encarcerados, apesar de representarem apenas 13% da população.

Um ano após a morte de Floyd, as famílias de 165 vítimas da brutalidade policial solicitaram ao comissário da ONU para os direitos humanos que investigasse a violência policial contra os negros estadunidenses.

Isto acontece quando mais pessoas no país sentem que há contas a ajustar com esta minoria e mais do que poucos esperam que os EUA sejam mantidos nos mesmos padrões de direitos humanos que outros países, especialmente porque os incidentes de brutalidade policial e o assassinato de cidadãos negros se tornaram muito frequentes.

mgt/lb/vmc

minuto por minuto
NOTAS RELACIONADAS
ÚLTIMO MINUTO
Logo Horizontal Prensa LAtina

© 2016-2021 Prensa Latina
Agência Latino-americana de Notícias

Rádio – Publicações – Vídeos – Notícias a cada minuto.
Todos os Rigts Reservados.

Rua E No 454, Vedado, Havana, Cuba.
Telefones: (+53) 7 838 3496, (+53) 7 838 3497, (+53) 7 838 3498, (+53) 7 838 3499
Prensa Latina © 2021.